Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MEU TESOURO (texto teatral)

PERSONAGENS

GUILHERMINA: A Antiga.
VICENTINA: A mais Velha.
EUFROSINA: A do Meio.
CLEMENTINA: A caçula.
ANGELINA: A criança.

CENÁRIO – s/necessário

__________________________

É noite fechada em Guaribas.
Um pequeno ponto luminoso, tremeluz, distante, perdido nas brenhas daquele recanto esquecido por Deus.
Ouve-se o som lamurioso de uma Ave - Maria, oração mais chorada que cantada.
O som e o ponto de luz, denunciam a existência de uma  janela... um casebre... uma exígua sala... parede de taipa, sem reboco e chão de terra batida.
O ponto de luz é um candeeiro.
O som vem das vozes de três mulheres, ajoelhadas aos pés de um pequeno quadro da Virgem Maria. Elas cantam, contritas, encantadas com a visão da Senhora de Todas as Graças Cheia.

VICENTINA (1ª voz) _______Ave Maria Cheia de Graça, o Senhor é convosco. Bendita sois, entre as mulheres e Bendito é o Fruto do Vosso Ventre, Jesus!

EUFROSINA (2ª voz)_________ Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém.

CLEMENTINA (3ª voz) ______ Glória ao Pai, Glória ao Filho e ao Espirito, agora e sempre e para sempre. Pelos séculos dos séculos. Amém.

O encantamento é quebrado por um grito angustiado, seguido da aparição, de uma quarta mulher, na salinha. É uma idosa. A mulher está desgrenhada, as roupas surradas, são quase trapos.

GUILHERMINA________ Quem desonra a própria mãe, não tem o direito de cantar a glória de Maria. Não ofenda a Mãe de Deus!

CLEMENTINA ______Mãe, o que é isso?

EUFROSINA ________Imbirutou de vez!!!

VICENTINA ________Você tá chamando mãe de doida é? Tá com o satanás no couro, tá?

EUFROSINA_______Ela atrapalha a oração e eu é quem tô com o satanás no couro? Vai fumar mulambo nojenta! Mãe de uns dias pra cá tá variando, não fala coisa com coisa!

CLEMENTINA ________ (aproxima-se da mãe e lhe segura a mão) O que aconteceu minha mãe?

GUILHERMINA________ (com as mãos trêmulas e os dedos crispados, aponta para Eufrosina). Peguei ela mexendo em meu baú.  Meu Tesouro desapareceu. Ela me roubou. (tentando avançar na filha que começa a rir) Devolve meu Tesouro, infeliz, devolve! Você me roubou...

EUFROSINA_______Só uma pessoa doida varrida pode chamar aquela carniça de Tesouro!!!

GUILHERMINA________ (chora irada). Não era carniça. Eram as minhas Lembranças... a minha História... o meu Tesouro. Você não tinha o direito de tirar de lá. Você é uma filha ruim!

EUFROSINA_______ Sou ruim por que tento lhe trazer  pro presente? Pra vida real? Miserável é quem lhe afunda, cada vez mais, na ilusão... num passado torto que lhe tira o Juízo! A senhora está endoidecendo, mãe!

VICENTINA ________ (avança em EUFROSINA e lhe desfere um bofete nas costas) Respeite mãe! Você ainda não sabe o que é uma doida, sua infeliz da moela pocada! Devolve o Tesouro dela ou você nunca mais rouba nada de ninguém, nessa vida!

EUFROSINA_________É mesmo? E você vai fazer o quê?

VICENTINA _________ ... lhe arranco esses dois urubus que você chama de olho! (grita furiosa) Devolve as coisas de mãe, sua condenada!

CLEMENTINA ________Parem com isso, você duas. Não estão vendo a situação de mãe, não? Vicentina, pelo amor de Deus, pega um caneco d'água pra mãe... ela está passando mal!

Quando Vicentina faz menção de ir buscar a água, Eufrosina começa a gargalhar, obrigando a irmã desistir de sair.

EUFROSINA_________Fricote de velho é fogo! Passando mal, mãe?! Era só o que faltava... uma canguçu choca, desmaiar!!!

Um grito estridente ecoa pela sala. Vicentina voa nos cabelos da irmã e as duas se atracam parecendo duas onças, lutando pelo espaço. Silenciosamente uma criança entra na sala. Traz nas mãos um saco de estopa, amarrado por uma imbira. Dirige-se à velha senhora, dobra o joelho direito em reverência. As duas que estão brigando congelam ou saem do foco.

ANGELINA ________ Sua benção minha iáiá. Em nome de Jesus Crucificado e de Nossa Senhora das Dores, me perdoe todas as malcriações que fiz contra a senhora!

GUILHERMINA________ (coloca a mão direita sobre a cabeça da menina) Está perdoada, em nome de Deus e da Virgem Maria.

A criança se levanta e volta a ajoelhar-se, agora, diante da mãe.

ANGELINA ________ Sua benção minha mãe. Em nome de Deus e da Virgem Maria, me perdoe as vezes que não fui uma boa filha!

CLEMENTINA ________ (repetindo os gestos da mãe) Está perdoada filha, em nome de  Jesus Crucificado e de Nossa Senhora das Dores.

A menina se dirige às outras duas mulheres. Toca-as e o congelamento se desfaz, ou o foco de luz incide sobre elas, ocultando as outras. Repete os gestos com Vicentina. Quando chega a vez de Eufrosina...

EUFROSINA _________ Como se atreve a me pedir perdão, sua traidora? Você diz que gosta de sua avó, mas fica de conluio com essas duas malucas a quem chama de mãe e tia, para manter mãe presa na arapuca dessa crença idiota!

ANGELINA__________ Se não quer me abençoar e nem perdoar, nada posso fazer pela senhora. Não sou uma traidora. A senhora pegou o que não lhe pertence... eu só estou devolvendo! Aqui, minha iáiá, o seu Tesouro!

Eufrosina se entorta... não é mais uma mulher jovem, forte e bonita. Sua aparência é aterradora. A velha senhora percebe que a filha está possuída por uma entidade da escuridão.  O ser obscuro tenta avançar na menina mas as tres mulheres se posicionam para impedir. Criam uma espécie de triângulo, cujo centro é a pequena criatura. Guilhermina ergue os braços. Sua voz grave e rouca parece mais o som de um vendaval.

GUILHERMINA ________Conjuro, em nosso favor, as forças da Terra: Raízes e Pedras. Conjuro as forças do Fogo: Labaredas e Brasas. Conjuro as forças da Água: Tempestades e Remansos. Conjuro as forças do Ar: Ventanias e Furacões. OUÇAM-ME!!! (aponta para Eufrosina, os olhos faiscando) Nenhum mal que você tente fazer, terá sucesso!!! O mal não passará!

VICENTINA ____________Que as labaredas do Fogo Sagrado de Santa Barbara nos protejam. O mal não passará.

CLEMENTINA __________ (um assovio fino e longo é acompanhado de uma ventania renitente. A voz da jovem mulher clama por proteção) Sopra são Lourenço... barba de ouro coração de vento!

ANGELINA ____________(a voz da criança é semelhante a uma canção de ninar)  Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós pecadores. Agora e na hora da nossa morte. Amém.

O Grito da criatura parece o urro da fera enlouquecida e ela parte pra cima das mulheres, disposta a tudo. As tres mulheres fecham o cerco ao redor da criança, que se curva protegendo o saco.

GUILHERMINA ________Quem pode mais do que Deus?

VICENTINA ____________O mal não passará!

GUILHERMINA ________Quem pode mais do que Deus?

CLEMENTINA __________ (continua assoviando, os braços erguidos, clamando por proteção).

GUILHERMINA ________(sua voz é imperiosa e exige uma resposta imediata) Pela última vez lhe conjuro: Quem pode mais do que Deus? RESPONDA.

EUFROSINA _________ (os olhos injetados denunciam o ódio mortal, seu grito é a voz destorcida de uma entidade da escuridão) NINGUÉM!!!
                                       

GUILHERMINA ________ ... então eu lhe ordeno: debaixo das ordens de Deus Pai/Filho e Espírito Santo, diga: o que você quer?

EUFROSINA _________ (na  fisionomia de Eufrosina se aglutina um desespero misto de medo e ódio. Sua voz continua obscura) ... destruir você, VELHA! Destruir o que você tem de mais Sagrado: A SUA HISTÓRIA. SUA ANCESTRALIDADE. SUAS RELÍQUIAS.

GUILHERMINA ________ Por quê? O que foi que eu lhe fiz?

ENTIDADE_____________ Você, Bruxa Velha, se atreve a me enfrentar? Teima em ensinar às suas herdeiras que elas não devem se submeter ao homem. Que elas são iguais aos homens?! Como ousa?!

GUILHERMINA _________ Quem é você para me dizer o que devo ou não devo ensinar às minhas meninas?  Não somos iguais, melhores ou piores que os homens. NÓS somos a MÃE, a ESPOSA, a FILHA, a IRMÃ, a AVÓ... como ousa tentar me virar contra a Minha Própria Filha? Eu a carreguei no ventre, durante nove longos meses... trouxe ela ao mundo, amamentei... alimentei, ensinei a andar e falar... cuido de minha Filha até hoje e nunca lhe dei um mau exemplo. Como se atreve se apoderar de seu juízo, fazendo com que ela desconheça, não só a mim, Sua Mãe, mas desconheça também, Suas Irmãs e Sua Sobrinha?

ENTIDADE_____________ Você não sabe em que cumbuca enfiou a mão, velha!

GUILHERMINA _________ Em nome do PAI, do FILHO e do ESPIRITO SANTO me responda, criatura medonha, vinda da escuridão: QUEM É VOCÊ?

ENTIDADE_____________ Tenho muitos nomes Mulher. Não saberia guardar na sua memória, todos eles. Venho do começo do mundo e vou pro Juízo Final... meus sete primeiros nomes são: Luxúria, Gula, Avareza, Ira, Soberba, Vaidade e Preguiça... quer ouvir os outros? Se tiver tempo, posso dizer todos... tenho tempo sobrando... já você, não tem tanto tempo assim...

GUILHERMINA _________ O Meu Tempo não é medido pela quantidade de dias! Para que me serviria viver na eterna danação? Pelos seus sete primeiros nomes já posso saber quais seriam os outros... você é aquele que semeia a discórdia, o desamor, a ganância e a maldade entre os Filhos de Deus... apesar de ser também, um deles? Você é o maldito invejoso...

ENTIDADE_____________ Cale-se!

Guilhermina avança resoluta e coloca a mão esquerda, espalmada, na face da filha. Seus dedos indicador e médio colam-se no meio da testa. O polegar, o anelar e o mínimo comprimem vigorosamente suas têmporas. Ergue o braço direito e traça uma cruz no ar. Após, com os dedos indicador e médio da mão direita toca a testa, na altura do umbigo, no ombro esquerdo, no ombro direito e na altura do coração de Eufrosina.

GUILHERMINA _________ Debaixo das Ordens do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO abandone esse corpo, criado a imagem e semelhança de Deus! AGORA!

E finalmente, também com a mão direita, traça um círculo no ar tocando novamente a testa de Eufrosina, movimentando a mão e o braço direitos no sentido: testa, ombro esquerdo, barriga, ombro direito e testa novamente. Eufrosina se contorce emitindo um urro medonho, depois fica imóvel. Guilhermina se ajoelha e abraça a filha, em prantos.

VICENTINA ____________(chora, cantando) Ave Maria Cheia de Graça, o Senhor é convosco. Bendita Sois Vós entre as mulheres, Bendito É o Fruto do Vosso Ventre Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém. Mãe, ela morreu?

GUILHERMINA _________ (tentando acalmar Vicentina e a si própria) Não Vicentina, sua irmã não morreu... está apenas cansada. Já está voltando a si. O invejoso se foi.

CLEMENTINA____________ (sua voz é pura alegria) Mãe, Vicentina... olhem para Angelina!!! O MILAGRE!!!

Eufrosina abre os olhos e agarra a mãe, se ajoelhando em seguida, no que é imitada pelas irmãs. Guilhermina, em pé, abre os braços. Angelina solta o saco e caminha em direção a avó. Seus passos são marcados por pétalas de rosas e fitas vermelhas. Sua Menarca aconteceu!


GUILHERMINA ________ Louvado seja o nome da Senhora! Nossa Linhagem não morrerá conosco. Angelina não deixará o Nosso Nome ser apagado no Tempo! Viveremos para sempre! Viva o Sangue! Viva a Vida! Viva a Mãe Natureza!

TODAS___________ (ao mesmo tempo, em tons diferentes) VIVA!VIVA! VIVA!

GUILHERMINA ________  (apontando para o saco de estopa) Vicentina, pegue a bacia, as toalhas e o vestido branco. Traga também o violão! Eufrosina, traga as ervas, as sementes e o pandeiro. Clementina, traga os incensos, os perfumes e a sanfona. Vamos cuidar dela primeiro, depois a gente chama os meninos para matar o cabrito. Hoje é dia de festa! Angelina agora é a nossa Esperança de Eternidade!

EUFROSINA _________ FIM?

GUILHERMINA_______ Não filha...

VICENTINA ___________... isso é só o começo de uma nova história!

CLEMENTINA__________ A história de Angelina!!!

Luz apaga em resistência. Um ponto minúsculo começa a clarear a cena. Incide sobre uma criança  coroada de flores, vestida num lindo vestido branco bordado de fitas, rendas e espelhos. É Angelina. Ela canta e sua voz vai acompanhando a expansão da luz. Gradativamente, a claridade mostra os outros personagens: os músicos e as mulheres da Linhagem. Ao lado da menina, no chão, está o velho saco de estopa, aberto, onde as pétalas de rosas e as fitas vermelhas repousam ao lado da antiga roupa de Angelina.

ANGELINA _________ (solfeja, acompanhando os instrumentos que harmonizam a canção de maio)...

CLEMENTINA__________ (cantando) Flora maio, flora, flora já florou. As Santas Flores de Maio, ainda não se semeou.

EUFROSINA _________ (cantando) O inferno tremeu de medo, o céu se encheu de alegria, só por ver os milagres, do Santo Mês de Maria!

VICENTINA ___________ (cantando) As contas do Meu Rosário... são balas de artilharia, que combatem o inferno, quando eu rezo a Ave Maria!

GUILHERMINA_______ (segura um ramo de folhas verdes e o perpassa, várias vezes, sobre a cabeça da menina) Angelina, você crê em Maria Santíssima, escolhida por Deus para ser a Virgem Mãe do Seu Filho?

ANGELINA _________ Sim, minha vó, eu creio!

GUILHERMINA_______ Crê em Deus? Crê que Ele é Onipotente, Onisciente e Onipresente? Que Ele criou todas as coisas e por ninguém foi criado?

ANGELINA _________ Creio sim, vovó.

GUILHERMINA_______ Crê em Jesus Cristo, o seu Único Filho e Nosso Senhor?

ANGELINA _________ Creio sim, senhora, minha vó.

GUILHERMINA_______ (para o ramo sobre a cabeça da menina) Que Maria Santíssima te guarde da mesma forma que guardou Jesus Cristo em seu ventre, durante sua gravidez. Que o Deus no qual acredito, aquele que mandou aos seus Santos Anjos nos protegessem de todo o mal, abençoe você, minha criança. Que através de você, minha criança, seja lembrado os nomes das Nossas Antigas e o nosso nome. E que a nossa Linhagem seja como uma revoada de cordonizes, por esse sertão afora, abençoando e curando as pessoas, em nome da Virgem Maria e da Santíssima Trindade.

TODAS___________ (a uma só voz) AMÉM! AMÉM! AMÉM!

Terminada a oração começa o festejo. O som maravilhoso da sanfona ensaia Maré (ou Meu Balão), do Grupo Comadre Florzinha. As mulheres cantam e dançam eufóricas.

VICENTINA __________ "Eu vou me banhar. Numa água tão cristalina. Numa água tão bela e fina, que desce lá pra maré. Maré, maré. Eu vou me banhar. Nas águas do Catolé..." ou "Ô papai, me dê dinheiro, pra eu enfeitar meu balão. Quem quer bem dorme na rua. Na porta do seu Amor. Ô papai, me dê dinheiro par eu enfeitar meu balão. Eu vou fazer o meu vestido, todo cheio de modelo, cheio de cava e botão, e quando eu me vestir nele, vou-me embora pro sertão..."

A música é executada em sua totalidade. A Luz vai baixando em resistência até parar no mesmo ponto do início e fechar, completamente em Angelina, que dança numa alegria de beija-flor,  na primavera!


                                  FIM
Adda nari Sussuarana
Enviado por Adda nari Sussuarana em 17/03/2017
Reeditado em 29/07/2017
Código do texto: T5943641
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Adda nari Sussuarana
Maceió - Alagoas - Brasil, 64 anos
170 textos (2920 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 01:20)
Adda nari Sussuarana