Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
  Tinha medo do homem que cada menino constrói dentro de si, a partir da interação com brinquedos monstruosos. Ela já não gostava mais  dos filmes de terror,  e acordava sobressaltada com  pesadelos, habitados por criaturas diabólicas, que outrora, via na TV.  Considerava que monstro é criação de mente doentia: diabinhos que o autor transfere em forma de imagem para livros e filmes.  Se é verdadeiro dizer que os sinais sonoros e visuais descortinam emoções,  também é verdadeiro afirmar que este  mesmo conjunto de imagem e som leva a atitudes e condutas de acordo com a percepção, em torno da qual orbitam os sentidos do corpo. E pela primeira vez, a boneca de pano teve sentimentos humanos: desejou ser a rainha das  bonecas, ter muitos súditos e um grande exército para combater o inimigo que lhe perturba o sono.
— Quero ser como Bob que não tem medo de nada.
— Os homens escondem seus medos, quando estão diante das mulheres — disse Ravenala — faça o teste: quando Bobinho disser que não tem medo, olhe os lábios dele. Se tremerem em leve contração está mentindo.
— Não são mais os olhos a janela do coração? — Quis saber Emília.
— O rosto é  o lado externo do coração; os olhos, ambos os lados; mas são os lábios que escondem ou revelam a verdade. 

***

Adalberto Lima, framento de Estrela que o vento soprou
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 09/09/2017
Código do texto: T6109415
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Adalberto Lima, "Estrela que o vento soprou"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 65 anos
2868 textos (361609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/17 09:38)
Adalberto Lima