Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Morre o sociólogo e filósofo Zygmunt Bauman

A incerteza é o habitat natural da vida humana - ainda que a esperança de escapar da incerteza seja o motor de atividade de atividades humanas. Escapar da incerteza é um ingrediente fundamental presumido, de todas e quaisquer imagens compósitas da felicidade genuína, adequada e total sempre parece residir em algum lugar à frente: tal como o horizonte, que recua quando se tenta chegar mais perto dele.
(Zygmunt Bauman)


O intelectual tinha 91 anos e era considerado um dos principais pensadores do século XX

- Se ainda hoje e a pouco não tivesse citado-o, eu (e essas premonições) não estaria tão consternada em antes do que já era depois. #(Paulo e eu)

- Em tempos de relações líquidas e menos humanas é uma perda que abre precedentes difusos. Vai, e é como tão bem disse Marina: Deixa essa geração cheia de ideais e de ideias. Vai, e vai deixar para o mundo o plano perfeito de como ele deve funcionar no modo on Humano e ele continua em off. Vai e vai sabendo também que apesar de ter feito tanto, com efeito, sabe também que muita coisa fica feita ao vento, porque morremos liquefeitos nessa geração de ouvidos moucos que esta com fome e não sabe como fazer o arroz. #perdemos Bauman#perdemos um sólido chão em tempos de relações liquidas. #triste#

Zygmunt Bauman, sociólogo e filósofo polonês, morreu nesta segunda-feira, aos 91 anos, em Leeds, na Inglaterra, onde vivia há anos, segundo informou o jornal de seu país de origem, Gazeta Wyborzca. Era considerado um dos intelectuais mais importantes do século XX, tendo se mantido ativo e trabalhando até os últimos momentos de sua vida.

Bauman era criador do conceito de "modernidade líquida", – uma etapa na qual tudo que era sólido se liquidificou, e em que “nossos acordos são temporários, passageiros, válidos apenas até novo aviso”.

O filósofo deu aula em universidades dos Estados Unidos, Austrália e Canadá, sendo professor emérito de sociologia da Universidade de Leeds, onde trilhou a maior parte de sua carreira. Sua obra, que começa nos anos cinquenta, foi reconhecida com prêmios como o Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades em 2010, que obteve juntamente com o colega Alan Touraine.

As teorias de Bauman exerceram grande influência nos movimentos antiglobalização. Seus ensaios alcançaram fama internacional nos anos oitenta, com títulos como Modernidade e Holocausto (1989), em que define o extermínio dos judeus pelos nazistas como um fenômeno relacionado ao desenvolvimento da modernidade. Em sua última entrevista concedida ao EL PAÍS, Bauman fez uma dura crítica às redes sociais: "As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha".

Entre suas obras mais significativas, destacam-se Modernidade Líquida (2000), em que afirmava que o capitalismo globalizado estava acabando com a solidez da sociedade industrial; Amor Líquido (2005); e Vida Líquida (2006). Além disso, é autor de títulos como A Cultura Como Praxis (1973, sem tradução no Brasil), O Mal-Estar da Pós-Modernidade (1997), A Globalização: As Consequências Humanas (1998), Em Busca da Política (1999), A Sociedade Individualizada (2001) e Vidas Desperdiçadas (2005).

Entre seus trabalhos publicados em português, também encontram-se Medo Líquido (2006), A Arte da Vida (2008), Desafios do Mundo Moderno (2015) e A Riqueza de Poucos Beneficia Todos Nós? (2015).


Para Zygmunt Bauman: “As redes sociais são uma armadilha”. Ao menos esta premissa deveria, (poderia) ser uma armadilha. Não é.

Ficamos mais pobres depois dele. Começando o novo ano com menos um gigante caminhando sobre a terra.

http://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/09/cultura/1483979989_377259.html
Serpente Angel
Enviado por Serpente Angel em 09/01/2017
Reeditado em 19/01/2017
Código do texto: T5876899
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Serpente Angel
Vernier - Geneva - Suíça
1360 textos (161168 leituras)
1 e-livros (126 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/17 07:32)
Serpente Angel