Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CURIOSIDADES SOBRE A OBRA MUSICAL DE RAUL SEIXAS (8)

       Há uma letra em especial de Raul Seixas, a da canção Água Viva, de 1974, em que podemos encontrar um visível erro de concordância verbal, o qual foi assumido publicamente muitos anos depois pelo maior letrista de Raul, ninguém menos que o escritor Paulo Coelho. À época, ele afirmou que ao compor aqueles versos, pensou mais na rima do que propriamente no que estava a dizer.
       Confiram abaixo a letra original e o verso retificado.


                    ÁGUA VIVA (Raul Seixas & Paulo Coelho)

Eu conheço bem a fonte
Que desce aquele monte,
Ainda que seja de noite.

Nessa fonte está ESCONDIDA <=== ?
O segredo dessa vida,
Ainda que seja de noite.

       Afinal, quem está escondida? A fonte ou o segredo??
       Portanto, o correto seria:

Nessa fonte está ESCONDIDO
O segredo dessa vida,
Ainda que seja de noite.

"Êta" fonte mais estranha
Que desce pela montanha,
Ainda que seja de noite.

Sei que não podia ser mais bela
Que os céus e a terra, bebem dela,
Ainda que seja de noite.

Sei que são caudalosas as correntes
Que regam os céus, infernos,
Regam gentes,
Ainda que seja de noite.

Aqui se está chamando as criaturas
Que desta água se fartam mesmo às escuras,
Ainda que seja de noite,
Ainda que seja de noite...

Eu conheço bem a fonte
Que desce daquele monte,
Ainda que seja de noite.

Porque ainda é de noite,
No dia claro dessa noite!
Porque ainda é de noite,
Porque ainda é de noite!

       
                              Outro caso semelhante:
   POR QUEM OS SINOS DOBRAM (Raul Seixas & Oscar Rasmussem)

Nunca se vence uma guerra lutando sozinho,
"Cê" sabe que a gente precisa entrar em contato.
Com toda essa força contida e que vive guardada,
O eco de suas palavras não REPERCUTEM <=== ? em nada.

       Afinal, quem repercute é o eco ou as palavras?
       Portanto, o correto seria:

Nunca se vence uma guerra lutando sozinho,
"Cê" sabe que a gente precisa entrar em contato.
Com toda essa força contida e que vive guardada,
O eco de suas palavras não REPERCUTE em nada.

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro,
Evita o aperto de mão de um possível aliado, é...
Convence as paredes do quarto, e dorme tranquilo,
Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo.

Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz,
Coragem, coragem, eu sei que você pode mais!

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro,
Evita o aperto de mão de um possível aliado.
Convence as paredes do quarto, e dorme tranquilo,
Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo

Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz,
Coragem, coragem, eu sei que você pode mais!
Raul Seixas
Enviado por Paulo Seixas em 21/04/2017
Reeditado em 27/04/2017
Código do texto: T5976958
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o http://blogliterariopauloseixas.blogspot.com.br/).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Seixas
Campina Grande - Paraíba - Brasil
929 textos (34602 leituras)
20 áudios (618 audições)
9 e-livros (126 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 18:24)
Paulo Seixas