Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meninas do Bataclã
Por: Alexandre d’ Oliveira
 
Ela é minha musa, e existe sim,  toda esta possibilidade que possamos ver que nem tudo que reluz é ouro, e que o rei mesmo não falando comigo e se achando o dono do pedaço, simplesmente disse com todas as letras:

_ Sou o cara, e ninguém tasca porque essa pretinha eu vi primeiro.

E naquele bafafá, naquele enrola, enrola,  discórdia pra lá ,  e confusão sem ao menos disfarçar a mulherada estava de certa forma irada, deixa pra lá.  Ninguém sequer reparou que ela era a coisa mais linda dentre tantas que já existiu, ela que nada mais era que a Nádia que tantas vezes fora procurada pelas emissoras para mostrar seu potencial.

Mas , Leila muito da esperta mostrou que toda Leila não é Diniz e que todas mulher mesmo querendo ser amada  também quer ser feliz , e dentre santas e loucas estas perdem para Ana que passara a ser  fenômeno nacional. E ninguém sequer ousa tirar onda com as meninas do Bataclã de Dona Nhana,  assim me disse Rita.

Ás mulheres tem disto, não querem compartilhar sobre nada quando o gato de botas se apresenta fazendo alguma menção. Erva venenosa esta menina, se porta como louca neste tititi quando toda prosa, mas como cão danado é pior que cobra casável. Tantas a Rita, já me contou sobre essas mulheres que não podem ver uma mulher linda tal qual Rosa desfilar pela praia formosa.  Modéstia a parte eu sempre consegui pintar o sete, aprontava sempre sem infringir na contramão. 

Não. Sem criar problemas eu só faço o que gosto, portanto qual é a sua me empresa o carro que eu vou sair para algum lugar bonito e maravilhoso. Mas que tal depois só nós dois numa banheira de espuma? ...
Deixa que falem que é que tem o que é que há menina?...

Deixe  que comentem, e que o amor passe do limite, e quem quiser que se habilite.  Um dia depois que tudo isso passar eu direi quanto tudo para mim fora bom. O tempo passa, e a vida quer mais que você viva. Um pouquinho de chá de erva cidreira acalma, e não faz mal, se assim eu peguei a gripe do amor, e me compliquei ao deixar marcas à vida inteira por falar somente por querer morrer de amor, vou ter qualquer dia desses um piripaque somente ao te ver bela e deliciosa.
 
                             JPA: 21 03 2017
Alexandre Poeta
Enviado por Alexandre Poeta em 21/03/2017
Reeditado em 23/03/2017
Código do texto: T5947359
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alexandre Poeta
Cabedelo - Paraíba - Brasil
224 textos (2749 leituras)
6 áudios (75 audições)
1 e-livros (10 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/05/17 09:19)
Alexandre Poeta

Site do Escritor