Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A queda do Herói (cronica politica sobre a copa)

No dia 8 de julho de 2014,quarta feira, no estádio Mineirão em Belo horizonte não se ouviu “[...]]De um povo heróico o brado retumbante[...] (Joaquim Osório Duque Estrada).”De repente, do riso fez-se o pranto [...],E dos olhos desfez a última chama, E da paixão fez-se o pressentimento E do momento imóvel fez-se o drama [...]]mas “De repente, não mais que de repente”,(Vinicius de Moraes) descerrou-se mais um confronto, entre os que são e os que não são, se são é por que acreditam ser, e se não são é por que se crê ser impossível ser, neste impasse inevitavelmente razão e coração caminham em direções opostos e reduz-se ao trágico e o cômico.
Se por um lado espera-se a salvação que será sempre a força bruta dos pés daqueles dos quais nem sempre vem, vulgos heróis a moda de carlyle, por outro lado o exemplo, a expressão homogênea compacta das mais nobres civilidades.
A derrota inevitável nos campos e na alma, nossa seleção é sem rosto, um legitimo man, e somos um dos resultados mais autentico, bem sucedidos e orgulhosos projetos de lassez faire, que balouça em face do intenso clamor social, e o gigante, monstrengo, não mais dorme em berço esplendido, mas desaba em queda livre e sem qualquer auxilio. Diante do homem do leme que tremeu, e disse:[...]]«Aqui ao leme sou mais do que eu:Sou um povo que quer o mar que é teu[...]!» (Fernando Pessoa)
E agora, José? 12 de julho de 2014, sábado, no Estádio Nacional de Brasilia,“A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu,[...]]você marcha, José! José, para onde?”(Carlos Drummond de Andrade) Começa-se a caça as bruxas, a crucificação, e culpa-se: o presidente, o dirigente, o treinador, e os super-heróis todos, visíveis e invisíveis, faltou gol, faltou pênaltis, sobrou indignação, alguém tem que pagar as contas, ou como diria Raul Seixas“Todos os caminhos são iguais O que leva à glória ou à perdição”.


Os caudilhos locais fracassaram, e a 13 de julho de 2014, Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro, “surgiu, brilhante [...]] Um enorme zepelim [,,,]  A cidade apavorada  Se quedou paralisada Pronta pra virar geléia Mas do zepelim gigante Desceu o seu comandante Dizendo [...]] posso evitar o drama – Se aquela formosa dama – Esta noite me servir., Joga pedra na Geni Ela é feita pra apanhar Ela é boa de cuspir”.(Chico Buarque).
E “esta terra ainda vai cumprir seu ideal Ainda vai tornar-se um imenso Portugal” (Chico Buarque e Ruy Guerra)
nelson rodrigues corrêa
Enviado por nelson rodrigues corrêa em 14/07/2014
Código do texto: T4882126
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Correa, Nelson Aparecido Rodrigues). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
nelson rodrigues corrêa
Belém - Pará - Brasil, 48 anos
16 textos (1031 leituras)
2 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/17 04:11)
nelson rodrigues corrêa