Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Noel e a reinvenção do natal

      Para um papai Noel, voar em sua carroça puxada por renas um tipo estranho para a maioria das crianças dos trópicos, e nem percebem que voam, e todos os demais adereços como a neve ou a duvida sobre a cor da roupa se vermelha ou verde, enfim uma infinidade de inventivas que passam desapercebidas por todos os pequenos desde os carentes aos mais abastados.

      Se o Noel é homem ou mulher? Se mulher até partilha um pouco da fama como a mamãe Noel, mas é uma concessão gentil, o que rouba a cena mesmo é o bom velhinho, é certo que quando se inventa uma parceira como boneca, ela obtém maior prestigio, mas tudo isto pouco importa, há uma imensa variedade de formas possíveis para compor este ente natalino; o que importa da fato é o presente... nesta ocasião surgem os mais diversos bondosos de todos os tipos e classes, pessoas que cheias de boa vontade se predispõem a mágica encenação natalina e dão vida e brilho ao bom e velho Noel e materializam alguns dos muitos desejos de nossas crianças, há algo mais mágico do que isto? Crianças desejosas e adultos desiludidos erguendo a força o habito da tradição, mesmo exposto ao sério risco de ser deixado ao relento sua tão brilhante inventiva.

       Quem nunca creu em papai Noel? Quem nunca fez um pedido? E quem não se decepcionou com o tempo? Ora todas as decepções do mundo desaparecem diante do brilho dos olhos destas crianças, e revestindo-nos das mais céleres convicções damos vida ao fenômeno natalino. É a meia ou o sapato cheio de grama posto embaixo da cama ou da rede que as vésperas do natal serão trocados por brinquedos, pois os sonhos infantis normalmente repousam em carrinhos e bonecas; mas há os grandinhos que esperam desde a infância a vinda inusitada do ilustre Noel, mas que se contentam com as cópias, e suas barbas postiças; no fim das contas mesmo os mais desiludidos se conformam a farça.

      Mas o que seria se, subitamente impuséssemos o derradeiro golpe da descrença advindas das decepções de infância ao carismático distribuidor de bombons? É certo que diante de toda frieza da inexistência do mito, e da falta ou do vazio deixado por sua ausência, seriamos forçados mesmo a contragosto a reinventá-lo, assim como reinventamos uma multidão de coisas do nosso dia-a-dia. Por isto que todas as vezes que um de nossos filhos é desiludido por alguns que não o professam, vem até nós e nos pergunta: _Pai, papai Noel existe? De imediato titubeamos, mas se arrancarmos do fundo nossas maiores verdades, se é que é possivel alguma, facilmente deduziremos, e respondemos:

_sim meu filho, é claro que existe, basta que acreditemos.

Nelson A. R. Corrêa
Natal de 2010
nelson rodrigues corrêa
Enviado por nelson rodrigues corrêa em 30/12/2010
Código do texto: T2699658

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
nelson rodrigues corrêa
Belém - Pará - Brasil, 48 anos
16 textos (1031 leituras)
2 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/05/17 21:14)
nelson rodrigues corrêa