Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lavar Louça Todo Dia Que Agonia...

Lavar Louça Todo Dia Que Agonia...

Agora não mais, graças à boa e útil máquina de lavar louças - uma octogenária! Bem, pelo menos na Europa. Foi isso o que eu li por aqui hoje, no jornal local.

O que me chamou a atenção para a matéria foi o título, mais ou menos assim: “Há 80 anos ELA vem salvando casamentos”. Depois que descobri quem era ELA, concordei imediatamente.

Certa vez,  hóspede de um casal de amigos, pude observar a importância dessa tarefa para o bem-estar conjugal. Quem vai lavar a louça (ou não) pode ser mesmo uma questão muito delicada num casamento. Esse casal havia bolado todo tipo de estratégias: desde tabelas até regras do tipo: “Quem cozinha fica dispensado de lavar a louça”. Funcionaria bem, não fosse a tendência (ou seria tentação?) de uns e outros em querer trapacear.

Nesta época eu não entendia nada disso, pois era solteira e sempre havia morado só desde que saíra da casa da mãe. Para ser gentil e retribuir a hospitalidade, também para desanuviar um pouco o clima que surgia após as refeições, eu me oferecia de bom grado para “fazer a lavação do que tinha que ser lavado” – como gostava de cantar o personagem do Renato Aragão - o Didi Mocó Sonrisal Colesterol Novalgina Mufumo – Aí deu “sardade”...

Depois que me casei fui entender essa questão – complexa, muito difícil - do processo de “lavar louça”. E olhe que sou até muito condescendente neste sentido: “Mil vezes uma pia cheia de louças sujas do que uma pilha de roupas por passar! Tá doido!?”

A matéria do jornal, assinada por uma pessoa chamada Inga Radel – com este nome suponho que seja uma mulher, se bem que hoje em dia não se pode confiar só nisso, não é mesmo? - Bom, essa criatura me trouxe uma informação interessante: e não é que a máquina de lavar louças, o primeiro modelo que se tem notícia, data de 1886 e foi patenteado por uma mulher? – “Êba! Viva nóis!” – Sim, uma mulher. Uma americana chamada Josephine Cochran.

Diz a lenda que essa senhora, cansada de ver seus empregados acabarem com suas louças, e não querendo ela mesma arcar com a tarefa de lavá-las, pôs-se atrás de uma solução para esse grande problema. E achou, embora o resultado fosse um treco enorme e muito difícil de manusear. Hoje mesmo, lendo uma crônica do José Cláudio (1), fui levada a pensar no papel fundamental dos preguiçosos para o “progresso”: A preguiça sim é a mãe das invenções, e não a necessidade, como eu pensava.” :-)

Em 1929, a firma Miele trouxe ao mercado europeu a primeira máquina de lavar louças. No início era usada só em restaurantes. Depois, com os anos dourados da economia – por volta de 1960, época que ficou conhecida na Alemanha como “O Milagre Econômico” -, máquina de lavar louças passou a ser artigo comum em muitos lares. Hoje em dia, informa o jornal, ela está presente em mais de 70 por cento dos lares alemães.

Há uma razão para isso. Como por aqui água e energia têm custo elevadíssimo, qualquer forma de economizá-los é investimento, no bolso e na natureza. Eu e meu marido observamos: depois que adquirimos uma máquina de lavar houve baixa significativa em nosso consumo de água e energia elétrica. Dentro de pouco tempo o custo da máquina se amortiza.

-- Quem vai lavar a louça hoje?
-- Eu não, que ontem foi meu dia!

Não tendo mais que perder tempo com discussões tolas desse tipo, e podendo investir o tempo gasto com “a lavação” em outras coisas - como escrever, por exemplo - taí uma invenção no contexto do lar que vale a pena ser festejada! Agora, sempre que me perguntarem: “Quem lavou a louça hoje?”, vou responder: “Nem eu, nem meu marido... Uma senhora octogenária, muito serelepe, danada que só! Uma mão na roda.”

Depois de comer, ao invés de ter que trabalhar (lavando louça), melhor mesmo é ter tempo livre para decidir o que se quer fazer, “num é”?

Um abraço fraterno :-)

***

Referências:

1 – Trabalhar e Comer – José Cláudio
       http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/1696628

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 13/07/2009
Reeditado em 02/01/2010
Código do texto: T1697201
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36218 leituras)
47 áudios (2337 audições)
45 e-livros (1937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/17 19:55)
Helena Frenzel