Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras e Sentidos

Meu encontro com o universo das Letras vem de uma trajetória bem enviesada. Sempre gostei de Literatura. Porém foi quebrando cabeça tentando simular em computador um pouquinho que fosse da inteligência humana - e pra não perder a piada: se lhe falta a inteligência natural, corra atrás da artificial! - , que acabei conhecendo melhor e me apaixonando por Linguagens Humanas e fenômenos de Comunicação. As diferentes interpretações que palavras podem adquirir, sós ou em conjunto, é algo que me intriga e fascina sobremaneira. E sobre isso quis refletir um pouco aqui.

Estudos apontam que mais da metade das mensagens trocadas na rede é mal interpretada – informação essa que pode ser checada aqui mesmo no RL, como dica. – E eu me arrisco a dizer que conversações ao vivo, ou via telefone, não estão fora deste conjunto. Quem nunca tentou se comunicar e experimentou a agonia de perceber que não estava sendo compreendido? Isso me lembra uma canção do Caetano (1):

"Você não está entendendo
Quase nada do que eu digo
Eu quero ir-me embora
Eu quero é dar o fora".

Uma dessas situações vivi com uma amiga muito querida. Esse desejo de querer dar o fora, de não querer me esforçar para explicar mais nada foi o que me fez pintar uma das minhas primeiras telas – Amigas ao Telefone (2). - A pintura tem esse poder extraordinário de acalmar, fazer sentar a poeira, permitir que frustrações sejam trabalhadas, equilibrar pensamentos e emoções.

Dado o grande risco de se interpretar mal mensagens, é de bom tom não se levar adiante discussões sem sentido. Faz tempo li um texto – um poema ou algo que pudesse se enquadrar na categoria – e como geralmente faço quando um texto me diz algo, escrevi um comentário inocente. Ora, o grau de subjetividade associado a um texto poético geralmente é bem maior do que em outras formas de texto, mais objetivas. E isso dá margem a diversas interpretações. Meu comentário dizia muito mais sobre mim mesma do que sobre o texto em questão. Não dizem por aí que as pessoas tendem a ver, ouvir e entender só aquilo que querem? Pois eu acho que a coisa foi por aí.

Um certo desconforto foi gerado entre mim e a autora do texto, que talvez tenha tomado o meu comentário como algo pessoal. E como poderia ser? Nunca antes havíamos sequer esbarrado pelas esquinas da internet! Resumo da ópera: o mal-entendido, creio eu, resolveu-se rapidamente após a troca de mais algumas mensagens. Mas o que ficou martelando em minha cabeça depois desse episódio foi o pensamento do que pode acontecer com os textos que lançamos por aí, feito sementes soltas ao vento.

Palavras parecem ter vida própria; são rebeldes e não se deixam facilmente prender e controlar. Lembro-me de uma passagem de um livro de Rubem Alves (2) na qual ele explica com que finalidade escrevera o livro A Menina e o Pássaro Encantado. A intenção, segundo ele, era trabalhar os sentimentos entre ele e sua filha, causados por um breve período de separação. Nas palavras do próprio Rubem: "Escrevi para transformar uma dor em beleza (...) era uma história para minha filha e para mim." Ele conta que não esperava as diferentes reações que o livro suscitou, chegando a ser usado até por terapeutas de casais e para falar sobre Deus. E ele conclui: "Pode também ser... É impossível engaiolar o sentido."

Ainda que um autor planeje as reações que deseja provocar com um texto, deve ser ínfima a  probabilidade de se prever exatamente todas as possíveis interpretações que o texto receberá de diferentes leitores. Considerando-se, ainda por cima, as variáveis de espaço e tempo, aí mesmo é que a coisa complica! Em resumo: melhor mesmo é termos cuidado com o que escrevemos,  se é que não queremos, dia desses, acordar sitiados em casa,  acusados do que quer que seja... "Logo eu?! Mas o que foi que eu fiz?"

"Pacato cidadão!
(É o pacato) da civilização..." (4)

(1) Trecho da canção Você Não Entende Nada, Caetano Veloso.
(2) http://clube-da-lupa.blogspot.com/2008/08/amigas-ao-telefone.html
(3) Rubem Alves. Ostra feliz não faz pérola. Editora Planeta. Páginas 19-20, 2008.
(4) Trecho da canção Pacato Cidadão, Skank (Samuel Rosa e Chico Amaral).
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 27/06/2009
Código do texto: T1669902
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (35977 leituras)
47 áudios (2322 audições)
45 e-livros (1909 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/07/17 05:43)
Helena Frenzel