Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quarteto

* Trouxe-me flores. Disto espero jamais esquecer.
+ Certas coisas não se esquecem, pelo efeito ímpar.
§ Era tudo o que eu queria, dizer como na música: “E eu dizia o seu nome, não me abandone jamais”
^ Nada disse porém, calei tudo, e no início esse ato pareceu-me inofensivo.


* E foi a coisa mais marcante que já me ocorreu. Ninguém jamais havia feito isso antes comigo.
+ Foi como se eu estivesse num sonho.
§ E ao final, dei por mim que aquilo não era ilusão. Era real, eu estava de fato naquele local.
^ Guardei aquele segredo comigo, como quem põe roupas caras, novas, numa mala que será para sempre extraviada.


* Foi uma sensação sem igual. E assim, simples, com este gesto, empenhei meu coração, e flutuei.
+ E esse sentimento jamais se repetiu, até agora, momento em que relato estas coisas.
§ Poderia ter deixado tudo acabar bem ali. Como posso ter sido tão idiota? Será que jamais aprenderei? Gostaria de apagar tudo da memória.
^ Vivi até aqui sem lembrar nada disso. Agora, que você voltou, que está aqui, na minha frente, tudo retornou, e com uma força tamanha que não dá pra controlar, desculpe-me.

* Recordo como tudo aconteceu.
+ Isto, estranhamente, causa-me enorme inquietação. Sei lá, medo talvez...
§ Uma coisa, porém, é bom que eu jamais esqueça: aquela sensação no estômago... Há algo que necessito fazer:
^ Sim, vamos parar por aqui.

* Difícil foi deixar tudo para trás.
+ Queria parar essas lembranças...
§ Recomeçar! Sim, ouvi dizer que em outra cidade estão precisando de alguém para trabalhar. Mudar de clima, perspectiva... Talvez seja o ideal!
^ Parar e recomeçar um novo ato. Por que não? A vida é um eterno recomeçar... Vem comigo?

* Sim, isto foi o que decidi. E você?
+ Por favor, não me peça para continuar...
§ Decido então: mudança!
^ Sim?
 
* Então, nada tem a me dizer?
+ Sim? Não? Talvez, que também é uma resposta válida.
§ Pouco importa? Faça o que quiser fazer. Aliás, é o que sempre se faz...
^ Esta é sua decisão? Respeito... Olhe, falei das flores. Delas é que jamais esquecerei. Eram girassóis. Também de voltas, dessas que damos, quando não se consegue ou não se quer dizer o óbvio.


“Mais fácil aprender japonês em braile
Do que você decidir se dá ou não”
Trecho de SE, Djavan.

----------------------------
Revisado em 15.04.2015
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 11/02/2010
Reeditado em 15/04/2015
Código do texto: T2082125
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36210 leituras)
47 áudios (2337 audições)
45 e-livros (1937 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/11/17 09:55)
Helena Frenzel