Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BOM GAROTO

Melissa corria apressada pelos espaços estreitos entre os troncos úmidos das árvores. Quanto mais velocidade empreendia, mais terra e gravetos levantava no ar por conta do contato furioso contra o solo. Ela puxava o ar com vontade, expelindo-o de volta em jatos ruidosos, as narinas dilatadas ardiam como brasa. Os olhos fixos na presa eram uma necessidade. A caçada, o alento que lhe guiava o pensamento, uma compensação merecida para aplacar as lamúrias do estômago. Fome. Dolorida e cruel. Fome. Era apenas nela que pensava. Não importava sua aparência repulsiva, algo que nem de longe lembrava quem costumava ser.

 Nessa realidade, o tom dourado não lhe revestia mais, fora trocado por uma podridão impossível de ser vencida, pois isso não dependia apenas de sua vontade. A alvura que antes lhe enfeitava o sorriso não passava agora de uma mescla de amargura e placas enegrecidas e fétidas. As unhas, outrora cuidadas e polidas, não experimentavam mais nada além de poeira e sangue, o seu próprio e o de suas vítimas.

A presa descreveu uma curva improvável, numa derradeira esperança de salvação, um ato preciso e eficiente que fez Melissa deslizar numa reentrância no solo. No entanto, os sonhos do coelho silvestre terminaram nos dentes afiados de Max, que lhe aguardava exatamente no local previamente combinado. A caça, inocente e desesperada, não tinha a menor ideia de que era o alvo de uma armadilha muito bem planejada.

Não tardou para que o pelo acinzentado do coelho fosse lavado pelo rubro da morte. Max e Melissa, que havia se aproximado, retalhavam o corpo do animal. Nero tentava pegar as sobras que se espalhavam pelo barro recém banhado pela chuva. Aquele coelho esquálido era pouco, quase nada, para aplacar tamanha desnutrição, mas, ainda assim, Max tratou de levar uma pata mirrada do bicho para junto de Theo. Os olhos do líder insinuavam que o mais novo deveria se alimentar, era uma ordem velada, a qual o garoto deveria obedecer. Mesmo com a sensação de que o estômago era açoitado por mil lâminas afiadas, Theo relutava em comer, tudo aquilo ainda era novidade para ele, algo muito difícil de digerir, não o alimento, a própria realidade, a mais pura e inexorável verdade.

Lá embaixo, a agitação da cidade seguia em seu frenesi incessante, totalmente alheia aos anseios que vinham dos domínios da maior floresta urbana do mundo. Max desejava que algum outro coelho surgisse como uma dádiva providencial, ou um macaco, ou tatu, qualquer coisa que pudesse servir para amenizar o sofrimento que pairava sobre eles. Mas a presença deles naquela área havia afugentado as presas, estava cada vez mais difícil obter uma boa caça, mesmo com a constante mudança de local de atuação, a morte parecia rondar a floresta, uma ameaça para ambos os lados.

No céu nublado, uma lua cheia que teimava em escapar por entre as nuvens parecia debochar daqueles esquecidos. Uma face pálida e fria, gelada como o sangue de Max...

Perdido em seus pensamentos, o líder demorou a perceber, e quando o fez, Nero já estava de pé, farejando o ar, buscando um odor que Max só identificaria muito depois do velho. A experiência de Nero, realçada pelo requinte do olfato apurado, uma compensação pela debilidade da visão, pois dispunha de apenas um olho, fazia dele um valoroso caçador, a despeito da idade avançada.

Melissa cerrava os dentes, rosnava a ponto de verter saliva pelos cantos da boca. As unhas raspavam o solo barrento em agonia. Diferente do saudosismo de Max, da resignação de Nero e da incredulidade de Theo, no coração de Melissa havia espaço apenas para o ódio, uma raiva de tudo e de todos. Ela tolerava os companheiros, mas para o restante do mundo guardava apenas a ira, a mais cruel e violenta cólera.
A matilha partiu em direção à origem do odor, um aroma familiar que causava um misto de conforto e medo, mas que naquele momento tinha apenas um significado: comida!

A cadela seguia na frente, uma representante da raça poodle de pelagem amarelada, abandonada sem cerimônias pela mulher por quem nutria um amor incondicional, que talvez quisesse dar à mascote o mesmo destino que o marido proporcionara a ela própria. Era seguida de perto por Nero, um boxer que fora largado no mundo simplesmente por ter ficado velho e doente. Theo tentava compensar a pouca eficiência das patas curtas com a juventude que lhe revestia, ele era um dashshund de coloração característica, e que, diferente dos demais ainda não tinha o corpo marcado pelas mazelas do abandono, na verdade, não entendia o porquê dos seus donos tê-lo deixado naquela estrada e seguido com o automóvel com seus potes de água e ração. No seu coração, ainda nutria a esperança de que voltassem para levá-lo para casa. Por último, mais lento, na defesa do grupo, seguia Max, um mestiço que crescera junto da criança na casa que costumava chamar de sua. Porém, a criança se tornara um homem, e como tal, deixara o lar em nome de um casamento precoce. Na casa nova sua presença não era bem-vinda, e a mesma criança que vira crescer resolvera que ele deveria ir para a rua, e assim aconteceu. Agora estava ali, com sua nova família, com outros iguais a ele, na luta diária pelo alimento, vivendo de migalhas num estado feral, selvagem como os seus antepassados um dia foram: um caçador sem piedade, movido pelas intempéries do estômago.

Na trilha, perdido e desorientado, um jovem aventureiro nem teve tempo de perceber o que o jogara de encontro ao solo. O impacto proporcionado pelas patas de Nero em suas costas fora violento e certeiro. Com o rosto na lama, o andarilho sentiu o golpe afiado dos dentes de Melissa em seu pescoço. Como serras movidas pelo ódio cego, as mandíbulas da cadela dilaceravam pele e carne, o sangue jorrava farto enquanto gritos de dor e desespero ecoavam pela escuridão da floresta. Nero, com a força que ainda fazia morada em seu corpo bruto, arrancava a mochila para abrir espaço para novas investidas. Dentes vorazes passaram a agir nas costas da vítima, rasgando roupas e músculos. Nacos enormes de carne desciam pela garganta do boxer. O corpo sem vida do rapaz era sacudido por Max, que devorava as vísceras espalhadas com sofreguidão. Naquela altura, até mesmo o pequeno Theo se deixava levar pelo festim. Aquela não era a primeira vítima humana do bando, e talvez não fosse a última.

Novas matilhas de cães abandonados são formadas a cada dia, animais que retornam a um estado selvagem e se tornam predadores errantes e perigosos. Mas, assim como são caçadores, também são caçados, uma verdade que o grupo de Max logo viria a perceber.

O banquete, responsável por deixar os cães inebriados e distantes da realidade, não marcava a rotina do bando. E, não tardaria até que experimentassem um novo período de inanição, amenizada vez ou outra pelas sobras que escapavam da fartura dos trilheiros que se aventuravam pelos desafios das matas, os quais, uma vez em grupos numerosos deixavam de ser uma oportunidade e se convertiam em ameaça para os famintos liderados por Max. Desse modo, ainda que a um passo da morte, eles aguardavam ansiosamente por algum desavisado, enquanto apenas sobreviviam do lixo dia após dia.
O quarteto ainda estava unido numa espécie de abraço coletivo, onde a certeza da presença do outro valia muito mais do que a tentativa de amenizar o frio da madrugada, período difícil de amargura e desolação, mas que já emitia seus últimos suspiros quando algo diferente aconteceu.

Como sempre, Nero foi o primeiro a perceber. A orelha em riste tentava desvendar o que havia por trás do trepidar dos gravetos, pois sua visão debilitada quase nada conseguia descrever em meio à luminosidade deficiente proporcionada pela sutil substituição das trevas absolutas pelos tons amarelo-alaranjados do horizonte.

Logo, o odor característico de madeira queimada invadiu suas narinas. Já de pé, aproximou-se da origem do distúrbio, sendo seguido pelos companheiros que haviam acordado com a movimentação do velho. Os olhos curiosos fitavam a reentrância na encosta logo abaixo. Dois humanos, uma fêmea e um macho, desmontavam o acampamento improvisado junto ao precipício. Max não se conformava em não tê-los percebido durante a noite. Pôs a culpa da desatenção à maldita fome, a praga que os jogava cada vez mais na direção da morte.

Eles reconheciam os adornos dos estranhos, já tinham visto outros como eles, mas nunca tão de perto. A natureza dos cães não os permitia entender o ofício daquelas pessoas, profissionais de resgate, que devidos às circunstâncias do local, traziam consigo armas de fogo para o desafio. Estavam em busca de um recém desaparecido, mais um inadvertido que certamente caíra nas garras de outra matilha da floresta.

Os cães sabiam que atacar mais de um humano por vez era um risco, no entanto, o desespero causado pelos açoites dos estômagos vazios mais que nublavam o discernimento e o raciocínio, ele os impelia a agir, pois esperar mais poderia significar a inexistência de um novo amanhecer, talvez não tivessem outra oportunidade.

Eles fariam uso da costumeira tática de emboscada. Melissa seguiu na vanguarda com o intuito de separar as vítimas. Cruzando os arbustos à frente, ela correu chamando a atenção do rapaz que seguiu em sua direção, porém, talvez mais uma vez por culpa da fome, o movimento de Nero foi imprudente. Ao invés de apenas jogar a moça no chão e mantê-la sob seu jugo, o impacto do seu golpe a lançou precipício abaixo antes que Max atingisse o jovem distraído pela cadela.

A garota encontrou um destino inevitável no abraço rígido dos rochedos no fim da trilha, enquanto Nero não conseguiu conter o próprio corpo e acabou deslizando para a queda certeira, mas diferente de sua pretensa vítima, ficara preso nos arbustos que enfeitavam a garganta da montanha.

Alertado pelos gritos da companheira, o rapaz retornou e tudo o que viu foi um cão agarrado à vegetação nas paredes do abismo. Não foi difícil imaginar o que acontecera. Tomado pela dor da perda e, principalmente, consumido pelo ardor da vingança, ele engatilhou a arma e mirou entre os olhos mutilados do boxer. Nero gania por conta do fim eminente. Em seus pensamentos caninos tentava formular uma lembrança boa, mas tudo o que conseguira fazer foi suspirar pela última vez quando o impacto do chumbo pôs fim à sua dor.

Quase que de forma simultânea ao estampido que causou horror ao pequenino Theo, um golpe certeiro derrubou o agressor. A arma rolou pelo chão barrento, enquanto a mandíbula de Melissa cravava-se na garganta do rapaz de modo cruel e feroz, até mesmo para o seu padrão. Ela apertava e rasgava sem piedade, enquanto olhava para o líder aguardando sua ação.

Max aproximou-se lentamente, como se quisesse aumentar a agonia de sua vítima. No entanto, antes que pudesse auxiliar a amiga no ataque, algo que ele julgava impossível de acontecer tomava corpo em seu interior. Um cheiro que ele imaginava ter esquecido dominava suas narinas mais uma vez, e com ele um turbilhão de emoções e sentimentos que o fez hesitar pela primeira vez em anos.

Melissa também hesitou, mas não por qualquer lembrança, ela simplesmente não entendia o que estava acontecendo. Seus dentes mantinham a posição, mas não avançavam enquanto aguardava por Max. Ela sabia que algo alheio ao seu conhecimento se passava, e até que pudesse compreender o que era, permaneceria com o sangue quente em sua língua.

Os olhos de Max estavam distantes. Eles não enxergavam o assassino de seu fiel amigo, não, tudo o que eles percebiam era o menino que vira pela primeira vez quando este tinha apenas doze anos e ele, Max, era apenas um filhote.

A angústia o dominou por completo. Ele entendia e via ali na sua frente o precipício que engolira Nero, o velho companheiro de caçada, aquele que lhe acolhera e ensinara tudo o que sabia. Morto por aquele que o abandonara.

Ele via também o pequeno Theo, tão novo tanto em idade quanto naquela vida de penúria e desgraça. Alguém que dependia demais dele.
E Melissa? A valente amiga que tantas vezes livrara o grupo das ferroadas lancinantes da fome, aquela com quem sempre poderia contar em todos os desafios nos caminhos tortuosos do destino maldito para o qual estavam fadados.

Mas, sobretudo, ele via o garotinho que jogava bola para ele no gramado. Com quem brincava com a mangueira do jardim, ele ainda podia sentir o toque reconfortante da água gelada dos domingos ensolarados. Como se esquecer dos potes sempre cheios com sua ração preferida, dos petiscos atirados como prêmio, das vezes que dormiram abraçados em noites de chuva?

A dor da dúvida gelou sua alma, mas Max sabia que não poderia se eximir. E, decidido, correu para finalizar definitivamente com toda a dor que lhe dominava, não a dor física ou a causada pela inanição, ele queria acabar com o tormento de seu espírito.

Fazendo uso de um golpe decisivo, ele atacou Melissa desvencilhando-a do pescoço do rapaz. Surpresa e perplexa, a cadela demorou a encaixar o raciocínio, e quando o fez projetou no líder todo o ódio latente que eriçava seus pelos. Melissa não reconhecia, ou talvez já tivesse se esquecido completamente, que o amor que um cão nutre por seu humano é puro, inocente, fiel e incondicional.

Atracados em luta corporal, os companheiros não perceberam a mão que tateava o solo em busca de salvação. Mais uma vez engatilhada, a arma despejou sua ira contra os animais que digladiavam alheios ao perigo.

Em nenhum momento o jovem reconheceu os contornos peludos do antigo amigo, o qual lhe oferecia um último olhar de carinho, sabendo que tinha cumprido a sua missão, salvando-o da morte certa, mas à custa de um preço tão alto. Max lavava o chão com seu sangue, em nome da fidelidade, levando consigo na morte a amiga de jornada, enquanto o rapaz caía no chão, mortalmente ferido pelas investidas aguçadas dos dentes de Melissa.

Até então acuado num canto, Theo aproximou-se do cenário de horror. Era difícil para ele compreender todas as nuanças da nova vida, assimilar todos os tormentos diários aos quais Nero, Melissa, Max e tantos outros foram obrigados a assumir.

Mas, diante do que vira, ele começava a aceitar que jamais teria sua antiga vida de volta e, se quisesse sobreviver naquela selva de terror, teria de aprender a se virar, de um jeito ou de outro. Então, resignado, arrancou um naco de carne do pescoço ensanguentado do rapaz. Aliviado por conta do alimento, animou-se para percorrer as vísceras expostas pela barriga recém aberta pelas garras.

Com a segurança de uma boa refeição, seguiu seu caminho pela mata. Precisava encontrar uma nova matilha, a tristeza da noite com certeza chegaria, mas talvez ele fosse premiado com um sonho, algo compartilhado por todos os abandonados: receber um afago na cabeça e ser chamado de “bom garoto” mais uma vez.
Flávio de Souza
Enviado por Flávio de Souza em 13/09/2017
Reeditado em 13/09/2017
Código do texto: T6113326
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Flávio de Souza
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 42 anos
186 textos (32395 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/17 23:35)
Flávio de Souza