Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOMENTE NOS MEUS SONHOS (Cap. 8)

Henrique estava frente à cunhada no salão da mansão. Ele conhecia aquele lugar muito bem. Passara sua infância lá, entre brincadeiras e travessuras com o irmão Álvaro. Quando os pais faleceram, Álvaro já estava de casamento marcado com Marília. Henrique nunca gostara dela. Marília era outra mulher por dentro. Era uma pena que Álvaro não tivera tempo de se livrar daquele embuste.

- Fiquei sabendo que houve uma morte aqui ontem. Mais uma – disse ele, implacável. A conversa que tivera com a moça Lucinda pela manhã o enchera de dúvidas e depois de certezas. E no final do dia descobrira, casualmente, que ela estava desaparecida.

Marília estava sentada no sofá macio, ainda do tempo da mãe de Álvaro e Henrique. Claramente ela não se sentia à vontade. A visita inoportuna do cunhado estava atrapalhando seus planos.

- Pobre Julieta – murmurou ela. - Uma empregada excelente.

Acreditamos que bebeu demais e foi para o rio de madrugada.

- Qual o motivo que teria ela para beber? Julieta vinha tendo algum problema com você?

A pergunta foi direta. Marília o encarou, surpresa.

- Comigo? De jeito nenhum. Sempre me dei bem com todos os empregados. Fico surpresa com este seu questionamento.
- Fiquei sabendo que ontem uma moça veio à força para cá. João a trouxe do cemitério. Qual o motivo?
- Qual o seu interesse em…
- Tem relação com o meu irmão? Com a morte dele?

Não estava nos planos de Marília entrar em atrito com o cunhado. Ele era esperto demais. E a odiava.

- É uma maluca. João a viu chorando várias vezes no túmulo do Álvaro. Pensei que fosse alguma namorada perdida dele. Fiquei intrigada e com raiva, ora esta! Mandei João trazê-la para cá.

- O que ela respondeu?

Henrique não estava disposto a ser simpático e Marília começava a se sentir acuada.

- Negou tudo, é claro. Depois eu vi que era maluca e a mandei embora. Não entendo tantas perguntas!
- Eu soube que a moça que você diz que é doida desapareceu. Você tem alguma coisa a ver com isto?

Marília sentiu as faces ficarem avermelhadas. Não podia se deixar trair.

- Eu? Pelo amor de Deus, Henrique! Eu já falei que a mulher tem um parafuso a menos! Deve ser por isto que desapareceu.

Naquele exato momento os gritos de João foram ouvidos do lado de fora e Henrique se pôs de pé. Marília permaneceu sentada, sem coragem para levantar. Seus instintos lhe diziam que algo estava dando errado.

- É João? – perguntou Henrique indo até a janela. - Seu empregado anda meio nervosinho, não é mesmo?

Antes ainda de Henrique chegar à janela, um tiro foi disparado. Henrique e Marília se entreolharam, assustados. Ela ficou em pé e de tão nervosa esbarrou em um vaso que se espatifou ao lado do sofá.

- Mas o que é isto? – Marília estava apavorada. João não daria um tiro por nada. Quando percebeu a movimentação de Henrique em direção à porta, ela gritou: - Tome cuidado! Podem ser bandidos!

Henrique não deu ouvidos à cunhada. Correu até a varanda a tempo de ver Lucinda se embrenhando no bosque escuro e João no seu encalço. No chão o empregado ferido se contorcia de dor. Havia gritaria dos empregados e correria para salvar o homem. Marília apareceu na varanda e desceu alguns degraus parando ao lado de Henrique.
Àquela altura ela já sabia que sua farsa estava em vias de ser descoberta. Não viu João em lugar nenhum.

- O que houve?
- Chame o socorro imediatamente. João tentou matar um dos seus empregados e agora quer fazer o mesmo com Lucinda!

Marília viu quando Henrique colocou a mão na cintura e retirou uma pistola do coldre. Balbuciou:

- O que você vai fazer?
- Salvar a moça.

Patrícia da Fonseca
Enviado por Patrícia da Fonseca em 11/01/2017
Código do texto: T5879156
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Patrícia da Fonseca
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 47 anos
612 textos (42510 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 04:48)
Patrícia da Fonseca