Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No Bosque

Saí pra passear pelo bosque e lá encontrei um de meus amigos, o cientista inglês. Cumprimentou-me e perguntou se podia acompanhar-me. Notei a elegância de seus trajes - o habitual fraque com um lenço no pescoço (ao invés de gravata). Parecia pronto para um casamento -- vestido como noivo ou padrinho. Pensei na inadequação de seus trajes para a temperatura elevada daquele dia e as condições do passeio. Olhei para os sapatos lustrosos -- todavia achei melhor nada comentar.

Assenti com a cabeça e nos pusemos a seguir caminhando, um ao lado do outro, devagar, curtindo o verde novo, o vento manso, refrescante, respirando -- misturado ao ar puro -- também o perfume que trocavam no ar as Acácias, umas com as outras. A princípio nada falamos. Cada qual mais imerso em seus próprios pensamentos e quadrados até que eu, sem perceber, quebrei o silêncio:

-- Não, essa não é boa! –- exclamei referindo-me a uma história que começava a nascer-me na cabeça.

-- Tens razão. Sem brilho, muito vulgar. Precisas de algo mais refinado -- completou-me as idéias. Um sorriso natural surgiu entre os lábios rosados bem-feitos.

Peguei-me pensando se ele agora já havia dado para ouvir meus pensamentos. Tão envolvida estava em minhas reflexões que fiquei em dúvida se havia mesmo “só” pensado ou dito o que pensava. Se falei o que pensara, disse o seguinte:

Conto minimalista: Saco de Gatos

O marido entra pela porta da frente.
Pouco tempo depois um homem salta por uma janela. Num dos braços, traz um gato preso -- num saco. Manchete de jornal no dia seguinte: Bombeiro cai e rasga o saco tentando salvar gato.

-- Não importa! -- pensei. E em seguida, olhando para o meu amigo, disse: -- Literatura também? Tu me surpreendes a cada dia!

-- Se tivesses participado de algumas de minhas aulas terias visto o quão importante é para um cientista saber contar histórias... -- dizia ele.

-- É verdade, havia me esquecido de tuas qualidades didáticas... Tens razão! -- interrompi-o, mesmo sabendo que ele odeia tal coisa.

--E tu, pequena, o que é feito de TUAS qualidades? -- inclinou a cabeça um pouco em minha direção e pôs-se a mirar-me os olhos, inquiridor.

-- As coisas agora estão mais complicadas, tu bem o sabes. -- soltei por fim, após um breve período de desconcerto.

-- E o que não é MAIS complicado aqui, na Alemanha? -- sorriu. Agora olhava pra frente, fitando as belas árvores ao longo do caminho.

-- Não digas isso... Falas assim só por seres inglês! -- disse eu fazendo pilhéria.

-- Se bem que um de meus melhores amigos é alemão... Schönbein, meu amigo Christian. Além da amizade, excelente parceria científica.

-- De Basel, não? Ou Basiléia...

-- Ele nasceu em Metzingen, no sul da Alemanha. Só muito depois mudou-se para Basel, na Suíça, para assumir um professorado na área de Química. Sabias que ele deixou a universidade sem doutorado? Isso não o impediu de ser o grande experimentalista, descobridor e professor que foi.

-- E a ti também não! Sempre foste um autodidata.

-- Poucos dos grandes cientistas em minha época tiveram uma formação convencional, digo, passaram por uma universidade.

-- Hoje são outros tempos, meu querido...

-- Eu sei.

-- E Schönbein, sabes como ele vai?

-- Espero que bem. Há tempos não mantemos contato.

-- Ah, amigo, por favor, conta-me um pouco sobre tua vida de agora...

-- De novo esse assunto? Vou-me embora! -- falou zangado.

-- Está bem... Desculpa-me. Tentarei conter minha curiosidade nesse sentido, daqui pra frente.

-- E aquela sua amiga, a pintora? – perguntou –me. Na minha opinião, para mudar de assunto completamente. Resolvi morder a isca: -- A mexicana?

-- Sim.

-- Ela? Ela...

Nota da autora:
Este texto está relacionado aos seguintes (por ordem de publicação):
- Histórias;
- O Cientista;
- Sobre Necessidade de Aplausos;
- Entre Mulheres;
- À Tarde Entre Mulheres, à Noite Entre Homens.



Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 04/07/2009
Reeditado em 02/01/2010
Código do texto: T1681999
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36083 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1919 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/17 11:14)
Helena Frenzel