Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sobre Necessidade de Aplausos

Um dos meus amigos, um escritor, passou por aqui hoje, brevemente. Nem deu tempo de tomarmos juntos um cafezinho. Estava apressado. Parecendo ouvir o que me ia na cabeça num dado momento, disse-me:

- Lembras desta passagem? – E recitou:

“Luís Dutra também privava com as musas. Os versos dele agradavam e valiam mais do que os meus; mas ele tinha necessidade da sanção de alguns, que lhe confirmasse o aplauso dos outros. Como fosse acanhado, não interrogava a ninguém; mas deleitava-se com ouvir alguma palavra de apreço; então criava novas forças e arremetia juvenilmente ao trabalho.

Pobre Luís Dutra! Apenas publicava alguma coisa, corria à minha casa, e entrava a girar em volta de mim, à espreita de um juízo, de uma palavra, de um gesto, que lhe aprovasse a recente produção, e eu falava-lhe de mil coisas diferentes, — do último baile do Catete, da discussão das câmaras, de berlindas e cavalos — de tudo, menos dos seus versos ou prosas. Ele respondia-me, a princípio com animação, depois mais frouxo, torcia a rédea da conversa para o seu assunto dele, abria um livro, perguntava-me se tinha algum trabalho novo, e eu dizia-lhe que sim ou que não, mas torcia a rédea para o outro lado, e lá ia ele atrás de mim, até que empacava de todo e saía triste. Minha intenção era fazê-lo duvidar de si mesmo, desanimá-lo, eliminá-lo. E tudo isto a olhar para a ponta do nariz...” (1)

- Sim. - respondi simplesmente.

Ao que ele replicou:
- Pois então, se tens ouvidos para ouvir, ouve o que quis dizer-te. Publiquei este texto em 1881. Vês o quanto continua atual? A humanidade, minha cara, será sempre a mesma... Aprende com os mestres! – Sorriu matreiro, despediu-se amavelmente e foi-se embora.

Depois que ele se foi, fiquei pensando:

Pobres daqueles que dependem de aplausos para criar, produzir, escrever... E por que parece tão difícil para alguns crer que outros tantos façam tais coisas, assim, pelo puro e simples prazer, de fazê-las... e sem pretensões?

Escritores e suas fases... Quando meu amigo voltar, pergunto-lhe como costumava lidar com isso.

Esses meus amigos... Mas só eles mesmos!


1 - Trecho extraído do Romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Obra completa disponível no site http://portal.mec.gov.br/machado/

Nota da autora:
Não confundir “autor” com “narrador” (pelo uso da primeira pessoa).

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 28/05/2009
Reeditado em 31/05/2009
Código do texto: T1619790
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (35973 leituras)
47 áudios (2322 audições)
45 e-livros (1908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/07/17 15:47)
Helena Frenzel