Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESAFIO LITERÁRIO-VAMOS TODOS AO BOTEQUIM-Análises

- Doutora, eu vim aqui porque... Bem, é que eu acho que... Sabe?... Acho que tô ficando doidinha de pedra!
- Bem vinda ao clube, Bacalhau!
- O quê a senhora disse?
- Nada não, nada! Continue, por favor... O que a faz pensar assim?
- Meu marido...
- Seu marido?...
- Não, deixa pra lá!
- Deixa pra lá o quê?
- É difícil falar...
- Melhor ouvir do que ser surda! Só me aparecem dessas por aqui...
- O quê?
- Nada, nada! Lembrei de umas coisas que tenho pra fazer, razão pela qual nossa sessão não poderá exceder o horário – tamborilando os dedos na mesa, nervosamente.
- Doutora...
- Sim, querida, vai falar ou não vai? Não temos o dia todo!
- Ah, é assim é? Pois bem! Meu marido disse que vai me deixar! Vai morar com outro homem, um fulano que ele conheceu na internet. Disse que eu o encorajei, com meu jeito louco de ser, a descobrir o seu verdadeiro “eu”!
- Não! Jura?!
- Sério! O pior é que não sei se fico alegre, ou triste...
- Por quê? Não gosta mais dele?
- Gosto! Gosto não, amo!
- Então era pra ficar triste. É uma tragédia... Se quiser uma corda, tenho um rolo novinho ali no armário, comprei semana passada!
- Mas quando se ama alguém não se deve ficar é feliz quando esse alguém diz que se encontrou, que está feliz e realizado?
- É, por esse ângulo...- e baixinho: - Droga! Vou ter que deixar o teste da corda para outra ocasião...
- O quê, Doutora?
- Nada, querida, nada... Sim, mas se você se alegra pela "descoberta" do seu marido, então que diabos está fazendo aqui? – e num sussurro: - Me fazendo perder tempo precioso, sua vaca! O “devorador” já deve estar lá, no MSN, me aguardando... Mais tarde o bicho vai pegar!
- Doutora, o quê?
- Mosquito! Aqui tá cheio de mosquito! Sim, mas por que acha que tá ficando louca?
- Agora dei pra me comportar como se fosse homem. O homem pelo qual meu marido quer me trocar, na verdade,... sou eu mesma!
- Bah! Jura?! – cof-cof-cof, virando a cara para o encosto da cadeira: - Agora tá ficando interessante a história dessa vaca louca!
- Doutora, com quem a senhora está cochichando? Estamos sendo gravados? “Hei, Hei! Olha eu aqui traveiz! É pro Fantástico?”
- Tá doida?! Se tiver câmera aqui eu sou a primeira a experimentar a nova corda! Ai meu Deus, ai meu Deus!
- Calma, Doutora... Foi só brincadeirinha...Hahahahaha!
- Ufffffffffff! Pronto, pronto... Sim! Sim! Conte-me tudo, não me esconda nada! Quer dizer então que seu marido está, sem saber, apaixonado pelo seu lado “masculino”?
- Tudo indica que sim... Só que me dói no coração desiludi-lo... Eu o amo, Doutora, sabe?...
- Olha, se quiser experimentar a corda, não vou me opor...
- E o pior foi que para me tornar homem, acabei entrando numa sinuca de bico. Envolvi-me com uma mulher, também na internet. Ela disse que tá doidinha de pedra por mim. Até marcamos um encontro para hoje à tarde, no MSN. Ela já deve estar me esperando. É uma vaca louca, sabe... Acho que essa deve ser mais doida do que eu!
- A-Ha! E... como é seu apelido, no MSN?
- O meu de verdade ou o meu, masculino?
- O masculino...
- Hummm... Não ria, por favor...
- Diga, diga!
- Você tem MSN também?
- Tenho! Sim, mas diga! Diga! Não me mate de curiosidade, sua vaca!
- Vaca, que vaca? Tá me chamando de vaca, Doutora?
- Ah, desculpe! Não, não...Vaca é... a minha mascote! Você não pode vê-la, mas ela está aqui. Não faça essa cara de assustada não.
- Não é susto! É surpresa! Nunca pensei que a senhora também tivesse mascotes. Eu tenho três e todos eles estão comigo aqui hoje.
- Num disse que por aqui só me aparecem dessas, ultimamente?
- O quê, Doutora?
- Nada, tava falando com a vaca – e olhando para o relógio: - Olhe, agora temos que encerrar. Tenho um paciente agora. Para espairecer, sugiro que você, seu marido, a mulher com quem você se envolveu, o seu “eu” masculino, e as mascotes vão todos a um botequim, encham a cara e se as dúvidas persistirem, a corda estará sempre por aqui. Posso emprestar, com prazer.
- Doutora, a senhora é tão inteligente! Se eu fosse homem, ou melhor, sendo homem, me apaixono por você!
- Sério! Puxa, veja só como é vida... É só você arranjar um namorado que logo aparece outro... Sinto muito, querida – ou querido – mas sou uma mulher agora comprometida.
- Ih, tenho que ir também! A mulher já deve estar doidinha me esperando. Tchau, doutora! Brigadão por tudo!

***
- Ah, graças a Deus! Eu mesma já tava a ponto de pegar a corda... Devorador, devoradorzinho... cadê você, benhê? Será que cansou de esperar e foi embora? Vou esperar um pouco mais... Ah! Acabou de entrar! Graças a Deus, graças a Deus!
- Oi amor, desculpe a demora... Estava numa conversa importante.
- Oi amor, que saudade... Eu tava aqui, com uma mala-sem-alças... Sim, mas me conta, me conta de você!
- Amorzinho, cê vai tá livre hoje à noite?
- Sim! Por quê?...
- Que tal um botequim?!

Nota da autora:

Querida Michele, inspirei-me em você, digo no seu estilo literário, para escrever esse conto. Naturalmente não ficou tão bom quanto os seus, mas diverti-me muito enquanto o escrevia. Espero que goste. Um abraço fraterno e um super beijo prucê! :-)

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 26/05/2009
Código do texto: T1615074
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar autoria de Helena Frenzel e usar um link para o site original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36087 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1919 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/17 23:01)
Helena Frenzel