Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Seu Zé, Dona China e Seu Natal

Contam que, numa cidadezinha entre dunas, no litoral do Maranhão, lá pelos idos de mil novecentos e cinqüenta, vivia um professor de matemática aposentado, cheio de rabugices. Chamava-se José não sei das quantas. Tem nada não eu ter esquecido o sobrenome. Era conhecido mesmo só como Seu Zé. Pois bem, Seu Zé enviuvara e, desde então, não quis saber de voltar a casar. Não tinha filhos. De quase tudo Seu Zé dava conta na vida, menos de lavar, passar e cozinhar. E olhe que não era por falta de esforço. Tentava passar ele mesmo suas camisas, mas se aborrecia porque sempre ficava uma marca e, por ser perfeccionista, suas camisas assim, amassadas como estavam, não podiam continuar.

Por isso contratou os serviços de Dona Emerencina, senhora muito boa, competente e o mais importante: depois de mais de cinco anos trabalhando para Seu Zé, lhe conhecia muito bem as manias. Um belo dia, porém, Dona Emerencina decidiu se mudar para a capital. Queria ajudar a filha a criar os netos. Seu Zé fez de um tudo pra que ela não o abandonasse, mas quá, nada adiantou. Como não lidava bem com mudanças de rotina, Seu Zé sofreu muito, emagreceu e quase não saía de casa por vergonha das peças amassadas que tinha que usar.

Nessa época, vários estrangeiros haviam chegado na cidade. Dentre eles, um grupo de chineses. Pouquíssimos já falavam ou entendiam bem o Português. O povo se admirava como, sem conhecer a língua do país, aquela gente tinha vindo parar alí. Foi aí que Dona China bateu à porta de Seu Zé, seguindo indicação de uma vizinha. Naturalmente ela não se chamava Dona China, mas, sabe como é, né? No interior as pessoas são mestres na arte de simplificar. Português Dona China não sabia bem, mas isso não era empecilho para cozinhar, lavar e, principalmente, passar. Seu Zé era muito bom pagador e isso era tudo o que importava a ela. Dona China nem bem acabou de bater à porta e já estava empregada. Passados três meses, Seu Zé estava muito satisfeito com seus serviços. E ainda tinha a vantagem de que, muito diferente de Dona Emerencina, que trabalhava matraqueando, Dona China estava sempre caladinha, se comunicava com o patrão usando literalmente a cabeça, os pés e as mãos. Incrível!
Já pelo mês de maio, Seu Zé, como sempre precavido, começou a comprar mantimentos para o Natal. Ocorre que todo final de ano era sagrado Seu Zé montar cestas básicas e distribuir entre os mais necessitados da cidade.

Esse era um costume de sua mulher e ele fez questão de mantê-lo depois de sua partida. Sendo aquele seu primeiro ano no Brasil e ainda estranha aos costumes cristãos, Dona China jamais ouvira falar em Natal e, pelo jeito, a hipótese deste desconhecimento era coisa que também não passava pela cabeça de Seu Zé. Pois bem, de maio a outubro, todo final de semana Seu Zé chegava com mantimentos. Entrava em casa dizendo: “Isso aqui é pra Seu Natal!” Talvez tenha sido esta a primeira frase que Dona China aprendeu em Português.

Por último, meados de novembro, num dia em que Seu Zé não estava em casa, chegou uma carroça tão carregada que o entregador demorou bastante pra descarregar a encomenda. Dona China, ao receber o homem, só soube dizer: “É pla seu Natal?” Tendo recebido um aceno positivo de cabeça, deixou o entregador passar. Do outro lado da rua, muito interessado naquela arrumação, um forasteiro tomava calmamente uma pinga na quitanda. Foi só o entregador terminar de descarregar e ir embora, o forasteiro saiu e, sem demorar muito, voltou com uma caminhonete que estacionou na frente da casa de Seu Zé. À noite, quando Seu Zé voltou pra casa e foi conferir a encomenda que deveria ter chegado, tomou o maior susto: o depósito era o lugar mais limpo!
-- Dona China! Dona China! O que aconteceu com as coisas que estavam aqui, mulher de Deus?
-- Seu Natal veio buscá. Non ela pla ele?

E foi assim que Dona China ficou sabendo o que era Natal. E os pobres da cidadezinha, pela primeira vez em anos, ficaram sem receber sua cesta natalina.






-----------------------------------------------------------------------------
Nota:
Este causo é uma homenagem à minha tia-avó, hoje com mais de 81 anos, e que também se chama Helena. Muito do que sou, devo a ela. O que teria sido de mim sem os causos e contos da minha tia? Para tornar o texto mais acessível modifiquei alguns personagens. Preservei, porém, o enredo. Pois bem, do repertório da Tia Helena diretamente para você. Espero que tenha gostado!
Um abraço fraterno :-)


--------------------------------------------
Revisado em: 08.09.2010 e 18.09.2010

Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 17/02/2010
Reeditado em 18/09/2010
Código do texto: T2091856
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36087 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1919 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/17 23:04)
Helena Frenzel