Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Causo de Famia

Oxente, justo na hora do meu pograma favorito...

Eu tava doidinha pra vê a briga das mulé lá! Onde já se viu, se chamá o otro an-sim de priguiçoso e cara-de-pau na TV?! Eu dava era uns tabefe nela! Eu é que num tô pra essa, ir prum pograma desse, an-sim, cuntá meus pôdi pra todo mundo... Eu, hein?! Ropa suja se lava mermo é den-di casa, e di noite, que é pra ninguém num vê.

Má rapá, num tô dizendo?! Esse povo que vai presses pogramas pagá mico deve di tá mermo é ganhano uma graninha boa, isso sim! Pois é, e foi na hora do pega-prá-capá qui a mia fia achô de chegá qui em casa. Inda vei cum adjunto, um culega dela lá. Pensei que eles num fosse demorá, mas se abancaro lá na sala e se danaro a cunversá umas cunversa chaaaaaata... dessas de pulítica.

Aí mermo foi qui eu num pude mais vê direito o diacho do pograma. Justo na hora quano a dotora pisóloga ia falá... Queria vê só o que ela ia dizê daqueles causo de famia. Larguei mão de vê o pograma e fui fazê café pras visita. Foi só eu sair e Plitz! -- lá disligaro a TV -- Mais cumo tem gente qui num sabe cunversá cum TV ligada, vice?!

Mais eu num brigo não... Minha fia é toda gran-fina. Nem parece qui é mia fia. É qui ela num se criou cumigo não. Se criou lá pás banda da cidade... Quano ela tá aqui mi visitano, só qué sabê de cunversá cumigo, a bichinha. Fica braba quano o povo qui de casa se dana a brigá pra dexá no canal do Big Brode. Ela diz qui nóis samo tudo vítima de um bando qui qué mais é dexá o povo na ignorança. Eu num sei de nada naum, só sei qui gosto das mia nuvelinha...

Pra quê é qui eu vou vê jorná, se eu num inteno nada mermo do que eles falo? Agora ela tá lá, na sala, cunversano cum o culega dela... Eles ficu falano de pulítica, de umas coisa qui eu num inteno. Eu acho que falá de pulítica é uma pêrna di tempo. Os pulitico sem-vergonho vão murrê tudo ladrão e sem-vergonho. E o povo besta vai cuntinuá votano neles! E nóis nacemo pobre e vamu murrê tudo lascado...

Hem-hein, quem sabe um dia a coisa num miora, né não? Dexa mais é eu ir cuidar di adiantar o di cumê pá manhã... Tumara que eles vão simbora mais cum poca, antes de cumeçar a nuvela das seis...

Nota:
Toda região tem suas peculiaridades. Em alguns lugares do interior do Maranhão, algumas pessoas têm um jeito muito próprio de falar. Acho que vale a pena registrar. Aqui na Alemanha, vejo as pessoas mais velhas tentando preservar seus dialetos. Onde moro, por exemplo, há uma coluna diária, no jornal local, em que a autora escreve usando um dos dialetos regionais. Confesso que não entendo muita coisa, numa primeira leitura. Mesmo assim, acho o esforço muito válido. E viva as diferenças! Ao criar este texto, tratei de recordar alguns registros orais que ficaram gravados em minha memória. O que você não conseguir entender, caro leitor, por favor me avise e eu tento fazer a tradução :-)

Um abraço fraterno!

---------------------------
Revisado em 17.09.2010
Helena Frenzel
Enviado por Helena Frenzel em 21/08/2009
Reeditado em 17/09/2010
Código do texto: T1765902
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Frenzel
Alemanha
487 textos (36087 leituras)
47 áudios (2336 audições)
45 e-livros (1919 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/17 23:09)
Helena Frenzel