Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

a segunda experiência profissional como engenheiro...



Organizar a matriz e montar uma filial...


Ao chegar no Rio de Janeiro, fui escalado pela diretoria que deveria organizar a empresa quanto a Organização e Métodos, e assim desenvolver todas as funções da empresa e dessa forma eu aprenderia todas as funções na matriz e jamais teria dúvidas durante o processo e fabricação na filial que eu iria montar a empresa em Votorantim a mais de 400 km de distância da matriz...


Foi um trabalho exaustivo, pois tive que até substituir o Supervisor Geral da Fábrica na matriz pois o mesmo teve um infarto e ficou fora da equipe em tratamento sem poder trabalhar por seis meses e durante 3 meses a noite fui eu o responsável pela produção e continuando a organizar a empresa e estabelecer os métodos mais corretos e com a menor incidência de problemas de atrasos que eram uma falha até mesmo da construção do sistema arcaico com movimentação manual e na empresa filial foi transferido para o sistema hidráulico operado a distância e assim evitar inclusive acidentes nessa movimentação...


Conseguimos treinar nossos funcionários na matriz e com pouco tempo de aprendizado estavam muito bem no sistema e quando iniciamos a produção na filial eu mesmo cortei a primeira manta no cilindro, que era a função mais bem paga para o operador de corte e que eram exímios profissionais que sabiam a espessura da chapa correta e a hora do corte para desenvolver a manta na correia transportadora que era encaminhada para os moldes que formavam as telhas passando por um duto com aquecimento onde a telha se curava com a movimentação dentro dessa estufa movimentando durante 8 horas continuas para sair pronta e estocada por 14 dias para posterior embarque após os testes de fratura localizada e sua qualidade especifica atendida, ou controle da qualidade do produto para tal liberação de todo o estoque em aguardo para ser embarcado...


Um trabalho de vinte e quatro horas ininterruptas, com 3 equipes de trabalho de 8 horas, mas com horas extras, quando houvesse a parada no sábado pela manhã e só retornando a fabricação as 14 horas de domingo, com inclusive o acionamento da caldeira que era uma função que eu tive que treinar a equipe e na falta do profissional muitas vezes fui eu mesmo o operador, função que aprendi na matriz e com os conhecimentos de caldeira a vapor na Philips, já era velho conhecedor desses macetes todos de mudar de óleo pesado na hora de desligar a caldeira, trocando por óleo diesel para acionar posteriormente, pois se deixasse o óleo pesado, ficaria tal qual piche nas tubulações da caldeira... erros comuns de funcionários sem o devido treinamento adequado...


Vivi assim na pele no Rio de Janeiro onde pude errar, mas agora na minha filial era eu o mestre de cerimonias e também o maestro para tocar a obra, e tive que até tirar o caminhão da fábrica sem ser especialista em movimentação de cavalo mecânico com carroceria independente, e até movimentar o caminhão de coleta de cimento que ficou preso na retirada de matéria prima na Cimenteira por motorista incapaz de saber como movimentar o caminhão e travou o mesmo entre as pilastras onde tive que ir até o local e virar manobrista de caminhão!!!


Vivendo e aprendendo pois como engenheiro, sempre fui assim eclético, não ligo para que me chamem de peão, pois na verdade sou um peão de trecho esclarecido ou diplomado, mas peão com muito orgulho pela capacidade de entender todas as dificuldades de cada um dos meus funcionários, pois fui eu quem organizou a matriz em cada função e exerci todas as funções na empresa até da telefonista!!!


Fui até mesmo operador de empilhadeira que deve descer de ré quando esta com carga, e que um dia a noite um operador desceu de frente e capotou o equipamento em pleno serviço e o trabalho de desvirar foi tremendamente cansativo e demorado, pois não tínhamos o recurso necessário de tirar todos os pesos que são os contrapeso para a capacidade de carga do mesmo!!!


Assim se aprende, fazendo tais funções descobrimos as dificuldades e a valorização do profissional que muitas vezes atua em um ponto estratégico que a sua falta pode parar uma produção toda e até mesmo interferir no bom andamento do sistema todo, portanto vamos sempre avaliar melhor cada função e dar o valor merecido pela responsabilidade do profissional que nem sempre é tão bem respeitado por todos!!!
Ivan Tadeu dos pobres
Enviado por Ivan Tadeu dos pobres em 17/03/2017
Código do texto: T5943559
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ivan Tadeu dos pobres
Praia Grande - São Paulo - Brasil, 72 anos
728 textos (8754 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/04/17 08:08)
Ivan Tadeu dos pobres