Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Sob a ditadura
Publicado por: Rose Stteffen
Data: 24/08/2017
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Texto: Sob a ditadura
Autoria: Rose Stteffen
Vos: Rose Stteffen
Música: Adágio for strings

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

Sob a ditadura
 
Voo sobre um Pégaso acima de cidades nuas de fantasias.
Por entre estrelas, vejo as ruas e calçadas esburacadas.
Entre meio as flores cintilantes, sinto a dor se espalhando.
Navego pelo universo e observo os limites que são aceitos.
No meio do canto de anjos, ouço o choro tão desamparado!
Coberta por purpurina celeste, incomoda-me a sirene alertando.
Já não está tolerável brincar de fingir que tudo é lindo e perfeito.
Por mais que tente me enganar e me alienar, não consigo mais.
Mesmo sabendo o quanto tem de felicidade num bolo,
Compreendo a alegria de todos os dias verem o sol,
Entendo quanto tudo é tão exato pelo prisma dos outros,
Mas sou íntima dos hiatos entre tantas perfeições sucessivas.
E me assustam as inverdades que cantam em prosa e verso.
Converso com o silêncio que teimam em transformar em melodia;
É quando me sinto astronauta de outro universo muito diverso,
Porque sei que há pesares em cada um que desconheço.
Penso no real sentido do artista que não se expressa e confeita,
Porque é proibido falar da fome de pão, amizade e de amor,
Definido que doer humanamente em evidência não tem estética,
E me vejo quase andando no mesmo ritmo do agradável.
Uma ditadura clara do que é aceitável e raramente real.
Então escapo por entre os excluídos pela insensatez,
E me entrego à loucura daqueles que sentem fome e rangem,
E me deleito entre os que têm sede e doem quase sempre.
Ainda que possa ver unicórnios e fadas, estrelas cadentes,
Lindos jardins e muita, muita purpurina caindo das estrelas,
Convivo com a úlcera de almas tão simples ou complexas.
Tenho esperança naqueles que retratam na arte, nosso tempo,
Aqueles homens das cavernas e seus sinais de hoje, de agora.
Assim, me pergunto se haverá um tempo que em cavernas secretas,
Homens intencionados em registrar o cotidiano, sem enfrentá-lo,
Poderão sair à luz e dizer de todas as formas que caçam nosso alimento,
Não mansamente, como se quer fazer acreditar, mas brutalmente,
Numa selvageria tão genuína que apenas se sofisticou em atrocidades.
Sobra a espera vaga que ainda plantaremos e colheremos nossos grãos,
E que num coral sonolento, uma voz seja dissonante e que não seja abatida,
Nem a tiros, pedradas ou com palavras murmuradas, engasgadas por confetes...
 
Tomara que seja apenas um grande equívoco e que todos estejam tão felizes, que vivam distribuindo gentilezas, abraços, felicitações efusivas generosamente e amem ao menos metade da metade do que falam, tomara!
Rose Stteffen
Enviado por Rose Stteffen em 12/01/2013
Reeditado em 24/08/2017
Código do texto: T4080373
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Rose Stteffen
São Paulo - São Paulo - Brasil
1332 textos (177096 leituras)
15 áudios (1829 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/17 15:17)
Rose Stteffen
Rádio Poética