Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
DESENVOLVIMENTO HUMANO PELA ÉTICA DA MISERICÓRDIA
Publicado por: JON SOUSSILVA
Data: 11/03/2017
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Autor: Jon Soussilva
Gravação: Jon Soussilva
Trilha sonora:O Melhor Da Flauta Pan (Andina);In: [https://www.youtube.com/watch?v=2b1CvqpLGEE]




Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto
O DESENVOLVIMENTO HUMANO PELA ÉTICA DA MISERICÓRDIA

      A verdade de ser perdoado e perdoar, evidencia a possibilidade do desenvolvimento pessoal. Dado que não se deixar ferir como efeito a qualquer contraposição à própria personalidade na vivência das relações interpessoais é um hábito de alguém evoluído, pois que é habitado por uma fonte transcendente de Vida e Amor que lhe alimenta sempre a ponto de transbordá-los para a alteridade. Nesta compreensão, há de se ter fundamento na pessoa de Jesus Cristo, ícone e hermeneuta do Pai – redentor universal e, Nele, adotar a disciplina da crucificação da egolatria, como ato de libertação e felicidade pessoais.

      O Filho de Deus assumiu a história humana praticando o bem, curando (At 10,38), ensinando com sua vida o princípio da doação como via para a felicidade (At 20, 35); deu a ética do Amor e do perdão absolutos (Mt 5, 44) que faz do ser humano, através Dele e do Espírito de Deus, semelhantes a Ele - Filho eterno do Pai e homem perfeito – que, nesta senda, vai se tornado fidedigna imagem de Deus que é Amor e Misericórdia (I Jo 4,8; Êx 34, 6).

      Ao se escutar o mistério da Páscoa de Jesus, sua cruz e glorificação, propiciando ao ser humano a graça de ser preenchido pela vida divina, mesmo sem deixar de ser natureza criada, compreende-se a beleza do Ser divino realizando Sua manifestação total, num transbordamento de Amor por sua criatura, até o limite de um rebaixamento-esvaziamento (Fl 2,7s) para alcançar o último ser humano que viesse a se encontrar no abismo das trevas da distância do Amor (Von Balthasar).

      Este Amor divino por cada pessoa humana é de uma infinidade a ponto do Verbo eterno do Pai ter assumido a natureza humana como filho da Virgem Maria, na cultura hebraica (Gl 4, 4), e descer na sua Paixão às mais espessas trevas inferiores (I Pd 3, 19s) onde o homem conseguiu se distanciar do divino amor, para oferecer a reconciliação com Deus, “amor, amado e amante” (Sto. Agostinho).

      Deus ama de tal modo as pessoas humanas que lhes dá a chance de viverem, remidos, no Espírito Santo, transbordando-o na comunidade humana e no cosmos, fazendo dos que aceitaram o dom da salvação, pessoas evoluídas que transparecem e transmitem a presença do Amor na alegria da conformação de todos os atos pessoais ao mistério da cruz e ressurreição do Filho de Deus, pelas fé e caridade. Conforme a teóloga russa M. Lot-Borodine: “o ser humano recebe pela graça aquilo que Deus tem por natureza; isto para que se torne pela graça aquilo que Deus é por natureza, ou seja, só Caridade, porque Deus é amor”.

      Com este pressuposto espiritual, pois “a divinização é possível pela visão e conhecimento da verdadeira Imagem de Deu s[Cl 1, 15]” (M. Tenace), tem-se o suporte para exercer a disciplina contra a “carne-ego”, crucificando-a para que a pessoa humana à imagem e semelhança de Jesus Cristo (Gl 5, 16s), tenha uma existência genuinamente humana, transmitindo vida plena e felicidade.

      Quem vive essa ascese sob a égide da cruz gloriosa, transcende os insultos ou agressões que venha a receber do outro; pois vive a paternidade ou maternidade espirituais que tudo perdoa, resplandecendo o divino amor que reside na sua interioridade; compreendendo que uma pessoa que insulta e agride, apenas tem desamor para oferecer; esta não encontrou alguém que lhe ame, não encontrou Deus, ainda está buscando-O.

      Assim, quem transborda o Amor, não se deixa ferir por quem careça de vida em plenitude, mas, no perdão, crucifica os apelos de retratação da sua “carne-ego” e torna-se plenamente humano, em Cristo, transmitindo o perdão e a presença do Amor. Neste sentido, o perdão, como vivência transbordante do divino Amor, faz evoluir as pessoas que, interpeladas por Cristo, aceitam a sua senhoria e tornam-se templos do Espírito de Deus, gerando vida e alegria, pela não-violência, no coração da sociedade e do universo, contribuindo com a Palavra de Deus, para a paz.

REFERÊNCIAS:

BALTHASAR, Hans Urs Von.  Mysterium Paschale in Mysterium Salutis III/6.
BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2002.

SANTO AGOSTINHO. A Trindade.4,ed. São Paulo: Paulus, 2007. (Col. Patrística, 7).

TENACE, Michelina. Para uma antropologia de comunhão II: da imagem à semelhança - a salvação como divinização. Bauru: Edusc, 2005





 
JON SOUSSILVA
Enviado por JON SOUSSILVA em 10/03/2017
Reeditado em 11/03/2017
Código do texto: T5936750
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar conforme as normas da ABNT). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
JON SOUSSILVA
Capanema - Pará - Brasil, 28 anos
161 textos (702 leituras)
26 áudios (155 audições)
5 e-livros (285 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/05/17 23:47)
JON SOUSSILVA
Rádio Poética