Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ônus da prova é de quem acusa!

Depois de assistir pacientemente as mais de 4h de depoimento, a conclusão que chego é parecida com a de Karnal: ou Lula é um gênio na arte de ocultar provas ou (o que pode chocar muita gente) ele é inocente. O resto é como a tese apresentada pela acusação: conjecturas. A notícia ruim, principalmente para aqueles que querem Lula atrás das grades, é que: em matéria de Direito, sentenciar alguém como "gênio na arte de ocultar provas" exige a construção de uma tese impecavelmente adequada à tal da "teoria do domínio do fato", o que não parece ser o caso, principalmente depois daqueles powerpoints.
*
*
*

Toda reforma interior e toda mudança para melhor dependem exclusivamente da aplicação do nosso próprio esforço.
(Immanuel Kant)

Toda reforma de um triplex sem provas a mídia constrói um novo discurso contra Lula: Agora diz que ele culpou D. Marisa.
E no balaio preocupado dos novos acontecimentos há a balança personalizada pra ferrar o réu; tudo segue como dantes na batalha do triplex.
SEM PROVAS!
*
*
Impossível não REQUENTAR O CASO BANESTADO (cujo JUIZ julgador era o MESMO)
O caso Banestado segue arquivado, um dos bancos mais sólidos do sistema financeiro do país, foi saqueado pelos tucanos na década de 90. Depois de tanta roubalheira, o único condenado foi o mordomo, o doleiro Alberto Youssef, um homem de origem simples que ficou milionário operando para a elite tucana. Mas a elite tucana é magnânima, e o juiz Sérgio Moro absolve o doleiro após um ridículo acordo de delação premiada, que não resultou em nada.
*
*
*
Tudo na vida é uma questão de escolha. Uns colocam a foto do Moro, outros colocam a foto do Aécio. Eu escolho a foto do Lula.
Segue o fluxo, queridos...
*
*
*
FRAGMENTOS

Moro: Tem um documento aqui que fala do triplex....
Lula: Tá assinado por quem?
Moro: Humm... A assinatura tá em Branco...
Lula: Então o senhor pode guardar por gentileza!

______

MORO: Agora o senhor tem essas reclamações da imprensa, eu compreendo, mas esse realmente não é o foro próprio pro senhor reclamar contra o tratamento da imprensa. O juiz não tem nenhuma relação com o que a imprensa publica ou não publica e esses processos são públicos
LULA: Doutor, o senhor sem querer talvez entrou nesse processo. Sabe por quê?
MORO: Hum?
LULA: Porque o vazamento de conversas com a minha mulher e dela com meus filhos, foi o senhor que autorizou.

__________

MORO: O sr. Não sabia dos desvios da Petrobrás?
LULA: Ninguém sabia dos desvios da Petrobrás. Nem eu, nem a imprensa, nem o senhor, nem o ministério público e nem a PF. Só ficamos sabendo quando grampearam o Youssef.

MORO: Mas eu não tinha que saber. Não tenho nada com isso.

LULA: Tem sim. Foi o sr. quem soltou o Youssef e mandou grampear. Devia saber mais do que eu.
***

Eu avisei; Lula tem uma esquerda poderosa.


LAVA JATO:

“Quando a Lava Jato estava trabalhando só com o aspecto policial, até elogiei porque ninguém é a favor da corrupção”

__________________
Sabemos que Lula será condenado. O motivo é simples: ainda que Sérgio Moro não encontre qualquer prova que leve à condenação, ele foi tão incensado pela mídia (e gostou disso) que se meteu em uma arapuca. Agora ele não tem mais como absolver. Vai ter que condenar para não se desmoralizar com a direita.

Vale lembrar o que acontece quando a justiça brasileira quer fazer justiça a qualquer preço: Da série “Os maiores erros judiciários brasileiros”: o Caso dos Irmãos Naves. LEIA a matéria completa no http://justificando.cartacapital.com.br/2014/11/19/da-serie-os-maiores-erros-judiciarios-brasileiros-o-caso-dos-irmaos-naves/ e relembre o caso que merece ser relembrado para que não caia no esquecimento.

Assisti a uma parte dos videos do interrogatório de Lula.
Todos sabemos que ele será condenado, em parte por causa de uma coisa que ele mesmo denunciou: criou-se, através de vazamentos seletivos ( ninguém viu ou verá alguns trechos dos vídeos no Jornal Nacional) e matérias tendenciosas, uma expectativa social irreversível pela condenação.
E o juiz, que, confessadamente, reconheceu que participou disso, divulgando ilegalmente escutas ilegais, agora está refém.
Todos sabem que ele não tem como absolver sem se desmoralizar completamente perante os "apoiadores" que cultivou, meticulosamente, desde que se deixou dominar, sabe-se lá quando, por uma fantasia maniqueísta de luta do bem contra o mal, do "pinguim", "charada", "o chapeleiro louco", organizados na liga do mal contra a liga da justiça, na qual se inclui, naturalmente.
Já disse em outro lugar que não há problema algum em ele gostar de fantasia ( é fã de Batman e Homem Aranha, segundo o Uol, como eu sou de "Coragem - o cão covarde"). O problema está em confundir a fantasia com a realidade.
Ninguém pode negar que Sérgio Moro é um sujeito competente. É de uma extraordinária capacidade de trabalho, dono de uma escrita elegante e de uma notável capacidade analítica, mas, infelizmente, alguma questão na sua formação ( Álvaro Pires chama isso de bloqueio cognitivo) claramente o impede de perceber qual o SEU papel processual numa democracia. A imprensa que o coloca em capas de revista num ringue de box contra Lula acabou recolhendo isso do imaginário social que ele se empenhou em construir. Uma pena! Se ele conseguisse discernir isso o resultado da operação ( policial!) poderia ser bem diferente: efetivo, no combate ao crime, sem o desmantelamento das garantias dos acusados.
Enfim, ninguém espere nada diferente de uma condenação.
Se há esperança é que esse episódio oferece à reflexão crítica ( e dogmática) sobre o processo penal um incomparável material de pesquisa, onde se inclui a figura personificada e hiperbólica do que já há muito já se denuncia: o juiz inquisidor que, vítima de sua fantasia, adota um comportamento de investigador e acusador, e nos apresenta, de forma caricata e às avessas, aquilo que realmente precisa ser construído, no Brasil, em termos de processo penal democrático.
Um bom começo: discutir seriamente sobre a formação e a seleção das carreiras jurídicas, introduzindo, inclusive, urgentemente, alguma coisa de psicanálise. Isso bem pode favorecer que futuras gerações de juízes consigam se proteger do sequestro da fantasia e evitar, assim, serem instrumentos de produção de desgraça na vida das pessoas e na sua própria biografia, que só pode ser escrita uma vez.
#ED


E FINALMENTE:::

É impressão minha ou a tela da Globo não capturou todas as imagens
do Hecatombe que aconteceu em Curitiba ontem? Continua tratando o POVO como se este fosse as suas RESES e acredita que o Brasil é seu curral.

____

PAUTA DA MÍDIA PLIM PLIM

Amanhã vamos noticiar que o Lula é maconheiro e que já fez vários abortos.

Abortos? Mas, o Lula é homem!!!

Então, primeiro a gente tem que noticiar a cirurgia de mudança de sexo.

SEGUE O COMBOIO...
http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/10/politica/1494422343_911700.html
https://www.theguardian.com/world/2017/may/10/brazil-lula-president-court-corruption-charges
https://theintercept.com/2017/05/10/no-dia-do-embate-entre-lula-e-moro-mais-dificil-que-escolher-seu-lado-e-admitir-que-ambos-erram/
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/video-integra-do-depoimento-de-lula-sergio-moro-em-curitiba/
https://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/curitiba-vive-tensao-antes-de-depoimento-de-lula-a-moro



E FIM, mas antes do FIM...

" Quando Lula falou a Moro: Nós não sabemos o que nossas esposas fazem. Seria um recado subliminar sobre o escândalo da APAE?"
(Neloli)

_____

E agora sim FIM do MESMO:

Em seu perfil no Facebook, o mestre e livre-docente em Direito Processual pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Afrânio Silva Jardim se disse “indignado” com a atuação do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tomado nesta quarta-feira (10) na capital paranaense. O jurista pediu publicamente que um artigo do magistrado, publicado em livro que o homenageia, fosse retirado da obra.

“(…) solicito, de público, aos amigos Pierre Souto Maior Amorim e Marcelo Lessa, organizadores do livro ‘Tributo a Afrânio Silva Jardim’, que diligenciem junto à Editora Juspodium no sentido de que não conste, na sua terceira edição, o trabalho do referido magistrado. A obra foi publicada, em minha homenagem, sendo composta por vários estudos de renomados juristas pátrios e estrangeiros”, diz Jardim em sua postagem. é o que diz o http://www.debateprogressista.com.br/indignado-com-a-atuacao-de-moro-jurista-pede-para-retirar-artigo-do-magistrado-em-livro-homenagem/
Serpente Angel
Enviado por Serpente Angel em 11/05/2017
Reeditado em 12/05/2017
Código do texto: T5996415
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Serpente Angel
Vernier - Geneva - Suíça
1361 textos (161354 leituras)
1 e-livros (126 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/06/17 07:41)
Serpente Angel