Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
MÚSICA PARA PENSAR(Gilson Chagas)
Por Adalberto Lima
 
Diante da repressão imposta pela ditadura militar dos anos 60 e 70, um jovem mal-nascido sonha ser gente um dia e depois de malfadado show de estreia em sua terra natal, arruma as malas e vai em busca de seu sonho no eldorado brasileiro - a grande São Paulo - , como está dito no capítulo 31: “Não seria, porém, ingrato para negar seu próprio crescimento nesses anos de São Paulo. Inclusive um bem visível: quatro centímetros somados à estatura com que aportara no Brás. Chegara à capital com dezoito anos e deficiência de cálcio...”

Quantas leituras podem ser feitas do “crescimento nesses anos  de São Paulo”. Joca cresceu apenas quatro centímetros em sua estatura? Joca realizou seu sonho e cresceu profissionalmente? É preciso ler para crer.

A música está presente em todos os capítulos e porque não dizer, logo no prefácio apresentado pelo então cantor Frank Aguiar – figura bastante conhecida no meio artístico e no cenário político - tudo a ver com o personagem principal do  romance.  Certamente, a cegonha não o depositou em berço de ouro (por isso, mal-nascido), resta, pois, ao nordestino como Joca , Luis Gonzaga e tantos outros, “lutar forte e bravo e viver como escravo, nas terras do sul”.

Música para Pensar toca fundo no leitor que busca entretenimento e encontra, além disso, uma fonte do saber, como técnicas  abordadas, durante as falas dos personagens, apontando para a melhor forma de escrever um romance: não perder de vistas o aspecto temporal, entre outras...  E, no tocante ao perfil de Remedinha, afinal, Medinha é ou não é comunista? Essa conclusão ficará a cargo de cada leitor, depois de dialogar com Dr. Josafá, Neném Boa Sorte e até mesmo sentir a dúvida de Joca em relação à “amiga”.

O aspecto formativo da obra aparece também em situações como esta: “Os Beatles, Rolling Stones e outros, compunham música futurista - música para pensar: a arte como meio de transformação. Aliás, a arte e a política têm vocação utilitária. Só assim têm validade” [...] “Roberto Carlos faz música de consumo, tem objetivo comercial. Sem dúvida, influi nos costumes da juventude, mas sabe Deus se para o bem.” (MPP., p.39.)

A literatura como arte, também pode ser considerada clássica ou de consumo (de massa) e valer-se do mesmo conceito descrito em Música para Pensar. Naturalmente, não posso antecipar muita coisa nesta análise , sob pena de transformá-lo num resumo da obra, o que de certa forma, poderia surtir efeito contrário ao desejado: retrair a vendagem, em vez de expandi-la. Também não pretendo resenhar, emitindo minha opinião, pois sou apenas leitor, embora leitor-crítico, ou quem sabe, nem isso, diante de uma obra que apresenta muitas leituras.

Não quero dizer que lendo o resumo, o leitor despreze a obra por não considerá-la boa, mas pode ser colhido por uma desvontade de ler, achando que já conhece toda a obra, apenas porque leu parte dela no resumo.  Contudo, evocando a arte de Zé Luís (personagem) em fazer fichamentos, antecipo que Medinha traz o requisito de uma personagem redonda, cujo conceito, sutilmente, os personagens nos dão de presente na dialogicidade com Machado de Assis:
 “... Bem, ele tentou me provar que aquele mistério do ter ou não ter havido traição era truque do romancista. Dizia ele tratar-se de ‘personagem redonda’ e que fica a critério do leitor refletir sobre ela, e, quem sabe, desvendar seus segredos...” (MPP.,p.58).

Finalmente, antecipo mais ainda que, o show de estreia reaparece treze anos depois, na praça Pedro II em Teresina. Gilson Chagas - Música para Pensar.
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 11/01/2017
Reeditado em 11/01/2017
Código do texto: T5879291
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (LIMA, Adalberto. ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adalberto Lima
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil, 64 anos
2644 textos (344266 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/03/17 05:11)
Adalberto Lima