Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Análise do texto aos porões o sempre










O texto Aos porões o sempre relata a história de um homem enclausurado em sua tristeza e sua alma corroída pela culpa por ter assassinado um casal de jornalistas na época da ditadura, deixando a filha do casal órfã ainda pequena.  Com o passar dos anos, esta mesma moça o encontra enclausurado em seu quarto escuro e sombrio em uma casa de repouso.  Trata-se de uma história comovente, onde a moça se aproxima do carrasco de seus pais no intuito de de lhe mostrar quanto mal ele fez a si mesma assassinando os mesmos.  No início ela se aproxima dele levando-lhe para passear, mostrando-lhe o lado belo da vida, inflando nele a esperança e o amor que a ela foram ausentes pela ausência dos pais.  Num momento em que ele se sentia frágil e à vontade com um sentimento renovado de amor no coração , a moça começa a lhe mostrar as fotos dos seus pais mortos, brutalmente assassinados por ele, em momentos de extrema sensibilidade, acusando, silenciosamente, suas tristes intenções de desabafo pelo ocorrido.  Trata-se de uma história policial, onde ocorre um crime brutal.  Quando o homem percebe quem a moça é, passa "um filme" pela sua cabeça e ele começa a sentir-se como se estivesse sendo torturado, só que sem violência alguma, tocado e mortificado pela fria sensação da culpa em sua alma.  A moça da vingança, como é descrita na narrativa, caracterizada como uma pessoa de intenções veladas, friamente o beija na testa na intenção, mais de ferir do que consolar, aparentando ser uma pessoa vitimada pelo rancor e pela tristeza sem fim, assim como o homem parece ter ficado também condenado à uma tristeza sem fim, pois após este episódio ele ficou "mais morto do que vivo", afundando-se ainda mais em seu vazio e solidão, como um sentimento que não tivesse cura.  O texto mostra o sentimento de culpa como um grilhão da alma, onde se sente uma carga emotiva de frieza e solidão.  O texto apresenta uma linguagem coesa e coerente, apesar de, muitas vezes, faltar conectivos.  O título, apesar de incompreensível no início, é claramente compreendido ao final da leitura, dando uma ideia de que o porão é onde fica a essência de nossa alma, nossas coisas guardadas, às vezes por anos enclausuradas, muitas vezes sombrias.  A intenção do autor parece passar a ideia de que os personagens, apesar de se encontrarem durante muitos anos depois, não conseguem a redenção de suas almas, como se estivessem condenadas à eterna escuridão e solidão, vitimadas e ligadas por um mesmo triste destino.































Texto escrito como forma de pagamento da minha especialização em Língua, Linguagem e Literatura, a ser ainda revisado pelo meu professor
Gilvania do Monte
Enviado por Gilvania do Monte em 08/12/2016
Código do texto: T5847540
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gilvania do Monte
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 48 anos
6234 textos (109833 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/17 00:47)
Gilvania do Monte

Site do Escritor