Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

" De cuando estuve loco"- J.M. Serrat.

          Gosto muito deste compositor espanhol ( catalão), Joan Manuel Serrat ; da sua voz, da música e sobre tudo das letras, que dizem muito. Vou traduzi-la ao meu modo, com a minha interpretação e com o que aprendi .
         
          " De cuando estuve loco aún conservo
            El carné de majara en la cartera,
            Un plano detallado del infierno
            Un cielo con pirañas y goteras
            Un prontuário en la comisaría
            Un frasco con pastillas de colores
            La carta con la que te despedías"
                      Do tempo em que estive louco ainda conservo, a carteirinha de maluco na carteira, um plano detalhado do inferno, um céu com piranhas e goteiras, um BO da delegacia, um vidrinho com pastilhas, e a sua carta de despedida...
                     A palavra "majara" significa um tipo de maluco beleza, bom, do tipo que precisa da loucura para viver.
                     O céu com piranhas e goteiras é sobre noites de insônia.
          " Y remédios vários contra el mal de amores
            Ahora voy rumbo al sur a sentar plaza
            desdeñando otros puntos cardenales
            Y el sol encarcelado en la terraza
            Voy rumbo al sur buscando
            Tus besos espirales
            Atrás dejo kilómetros de afueras
            aire por suspirar, luces en rojo
            Hacia donde señalan tus pezones "
            Voy a toda pastilla
             Dando gas a la moto "
                      Vários remédios contra o mal de amores, agora vou rumo ao sul e me alistar, desprezando os demais pontos cardeais, o sol aprisionado na sacada, vou rumo ao sul , buscando teus beijos em vertigens, e atrás deixo quilômetros de vida, ar por respirar e sinais fechados, na direção que "teus seios" apontam (expressão em gíria). Usa de toda a velocidade e gana que pode em sua moto. ( O termo "pastilla" não é literal, uma força de expressão; vou a toda...)
                      Uma forma poética de dizer que nada importa, sem parar para pensar , não há mágoas, nada...apenas a vontade de seguir na direção da amada.
                      " De cuando estuve loco aún conservo
                        Un par de gramos de delírio en rama,
                        por si atacan con su razón los cuerdos
                        Y un viento furza seis de tramontana;
                        El vício de escribir por las paredes
                        pareados de amor y la manía
                        De buscarte entre todas las mujeres
                        Que en horas bajas me hacen compañia "
                                 De quando estive louco, todavia mantenho um par de gramas de delírio em rama  ( uma força de expressão forte, "delírio en rama" tem duplo sentido, a linguagem poética presente, pois o delírio e a flor "lírio" montam o  sentimento do poeta, já que o lírio é a flor da pureza, das boas intenções ).
                                 Caso as maluquices (cuerdos), me venham à cabeça sem qualquer motivo, e um vento forte das montanhas. O vício de escrever pelas paredes, com rimas de amor e coisas minhas, te destacando entre todas as mulheres, que na madrugada me faz  companhia.
                     " Cuando rozo tus pétalas , nenúfar
                        Que sobrevive en águas estancadas
                        saltan chispas, los cables se me cruzan,
                        se me sube el mercurio
                        y me salta la alarma
                        Mono de ti que me obliga a llevarte
                        en sobres rojos liofilizada
                        para tomarte cuando me apeteces
                        en sorbos cortos al sufrir la madrugada
                        Te escribo desde un área de servício
                        dondo solo me ofrecen gasolina
                        Puedes llamarme a cobro revertido
                        Desde la caracola de la esquina "
                                  Quando encosto nas tuas pétalas (duplo sentido), nenúfar ( flor aquática- úmida), que vive sob qualquer condição, dá um curto circuito e a temperatura sobe, disparando um alarme ( rsrsss...). Que bonito (com ironia), me obrigas a te levar dentro de um envelope vermelho e congelado, " e a voltar a ler a tua carta" durante a madrugada. Te escrevo desde um posto qualquer da estrada, e podes me chamar à cobrar ( cobro revertido), desde que te dê na telha ( caracola da esquina).
            Traduzi interpretando, pois acho que "pega" melhor o que o autor quis dizer, pois temos que lembrar que Serrat é um compositor popular, de bom gosto, mas popular, ele usa e fala em expressões de rua, de bares, apesar de ter um bom espanhol.
            Ele tem letras até melhores, mas esta tem um "quê" de maluco beleza, por isso a escolhi desta vez. Uma forma de descontrair no meu idioma natal.
                     
           
               

           
           
           
Aragon Guerrero
Enviado por Aragon Guerrero em 02/12/2016
Código do texto: T5841237
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aragon Guerrero
São Paulo - São Paulo - Brasil, 63 anos
268 textos (9436 leituras)
5 áudios (154 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/02/17 20:26)
Aragon Guerrero