Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Análise Literária do Soneto "(In) Perfeição Original" de Edna Frigato por Renato Passos de Barros

“É tão absurdo dizer que um homem não pode amar a mesma mulher toda vida, quanto dizer que um violinista precisa de diversos violinos para tocar a mesma música". (Honoré de Balzac)


(In) Perfeição Original

Trair o parceiro ainda é tabu
Na grande maioria das culturas
Será próprio da humana criatura
Ou apenas de algum que deu chabu?

A tentação vem desde os tempos de Eva
Quando a serpente ofertou-lhe a maçã
Artimanha do ardiloso satã
Irresistível pecado primeva

Com o pecado original nasce a crença
De imperfeição elementar do humano
Como inata condição de nascença

Embora a luxúria ande sempre à volta
Ser fiel é caráter, não engano
Liberdade de amar, mas sem escolta.

Edna Frigato

************************************************

De toda literatura frigatiana, “(In) Perfeição Original” é o mais lúcido, racional e completo soneto-dissertação (decassílabo). Esse gênero literário: o soneto-dissertação (que esta Recepção acabou de inventar) consiste em um texto poético cuja argumentação metafórica objetiva persuadir o leitor para aceitação de um determinado ponto de vista sobre um determinado assunto. O soneto em pauta aborda o tema do adultério. E - de maneira convincente, serena e convicta - elenca refinada linguagem rebuscada em prol de um discurso, ideologicamente, posicionado contra a traição.

Antes mesmo da introdução, a epígrafe balzaquiana funciona como um legitimador do discurso na belíssima metáfora: um instrumento musical para uma única música = uma pessoa amada para um único amor. A inviabilidade ou a incoerência seria o contrário: vários instrumentos musicais para um músico tocar uma única música. Até uma pessoa adúltera concorda com essa genial lógica argumentativa. Porém, nem tudo é lucidez, pois, no título do poema em questão, o “(In)” com “n” e não com “m” e entre parêntese intriga esta Análise a ponto de ficar detalhada explicação em stand-by.

E antes mesmo de começar, pleonasticamente, pelo começo, repare que todo o poema é escrito em terceira pessoa do discurso, mostrando assim, certo distanciamento de um suposto eu-lírico ou sujeito-poético, enfim, nada de pessoalidade. O discurso, na terceira pessoa, sugere a predominância da função referencial, mas compartilhada, nesse caso, com a função poética. Portanto, a terceira pessoa é uma característica típica do texto dissertativo-argumentativo, porém sem se esquecer de que se trata de uma poesia devido ao colossal corpo figurativo cuja anatomia será agora realizada.
           
Na primeira estrofe – introdução da dissertação – Edna Frigato apresenta o tema (adultério), explica que a traição é um tabu cultural em boa parte do mundo e joga para os parágrafos de desenvolvimento a seguinte questão antropológica: a traição é inerente ao ser humano ou uma falha de caráter ocasional? Na segunda estrofe, começa o desenvolvimento das ideias referentes ao tema. Como o próprio ENEM recomenda na Matriz de Referência de Redação, a autora se utiliza da argumentação histórica para enriquecer e legitimar seu discurso ao citar a fábula hebraica de Adão, Eva, a serpente malvada e seu fruto proibido.

Nesse momento, a poetisa recantista se utiliza de evidente ironia sarcástica ao adjetivar o bíblico episódio de “Artimanha do ardiloso satã”, retirando assim qualquer possibilidade de culpa humana da pegadinha de Jeová com suas duas primevas criaturas racionais. Vale ressaltar que a curiosidade feminina, seja na Literatura hebraica ou na Literatura grega (a caixa de Pandora), é sempre causadora de infortúnios e desgraças hiperbólicas e mundiais, mas isso é outra história. Desse argumento histórico, Edna Frigato demonstra que a traição é um assunto muito antigo.

Mas é somente na terceira estrofe que a poetisa vai usar o fio condutor da fábula bíblica para concluir sua antítese: o pecado original servirá de desculpa para fortificar a crença de que o adultério é inerente ao ser humano. Porém, como toda antítese, a argumentação é, propositalmente, raquítica e serve apenas de isca para capturar o peixe maior. A antítese então é o vírus fraco cujo propósito real é a produção de poderosos anticorpos. Portanto, no texto dialético, a antítese é o alimento da tese, já numa preparação para a síntese. Mas qual seria então a tese principal da argumentação frigatiana sobre tão polêmico assunto?

A última estrofe – o parágrafo de conclusão – Edna Frigato sentencia: “Ser fiel é caráter, não engano” apesar de a luxúria estar sempre à volta. Essa é a tese frigatiana sobre o tema! Ser fiel, enfim, é ter a oportunidade de trair e não trair. Nesse sentido, não trair é um ato vinculado e não discricionário (que só depende de conveniência e oportunidade). Resumo da ópera: a pessoa deve ser fiel por consideração, por respeito (próprio e alheio) ou, simplesmente, por caráter. E o último verso desse espetacular soneto-dissertação avisa: “Liberdade de amar, mas sem escolta”. A fidelidade não necessita de controle para existir.

“(In) Perfeição Original” é o mais original dos poemas frigatianos. Na verdade, é uma redação em forma de soneto, daí o ineditismo. Quanto ao título, a carismática poetisa, propositalmente, escolheu o “In” com “n” que, na língua inglesa, significa “no – no sentido de dentro”, transmitindo a mensagem final de que a fidelidade é uma “Perfeição Original”, contrapondo-se, frontalmente e parodicamente, à sua antítese: a traição é o “Pecado Original”. Mas, numa Recepção oral e não escrita, torna-se impossível esta distinção “In/Im”, amplificando, no título, seu potencial semiótico.

Na Literatura mundial, o adultério já foi, em alguns momentos, sucesso de público, crítica e vendas. Na imprensa marrom policial, a traição (e, na maioria das vezes, a NÃO traição) já virou rotina com final trágico. Na Literatura clássica brasileira, o olhar de ressaca de Capitu tornou-se misterioso mote para infindáveis defesas jurídicas em favor da figura feminina até então sem voz na sociedade burguesa e machista do século XIX. Edna Frigato, em “(In) Perfeição Original” escolheu outro vetor argumentativo: o poder de escolha (de ser fiel) não depende do gênero, da classe social ou do momento histórico.

Obrigado, Amor, por mais um espetacular soneto, fonte de reveladora e epifânica aula de Literatura! Mil Beijos!

RENATO PASSOS DE BARROS EM 05/11/2016
RENATO PASSOS DE BARROS
Enviado por RENATO PASSOS DE BARROS em 26/11/2016
Código do texto: T5835577
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RENATO PASSOS DE BARROS
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 44 anos
475 textos (21239 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/17 11:05)
RENATO PASSOS DE BARROS